Arquivo de dezembro, 2012

Allan Taborda lendo A Moreninha, capítulo 12 (e mais dois vídeos)

Posted in Idiotices on 25/12/2012 by Allan Taborda

Hoje é Natal, dia 25 de Dezembro! Feliz Natal a todos os que estiverem lendo isso (e os que não estiverem lendo também), ainda que leiam isso após o Natal!

O post de hoje é para divulgar três vídeos que eu gravei com a webcam do meu notebook, entre eles, um onde eu leio um capítulo do livro A Moreninha, de Joaquim Manuel de Macedo e faço comentários sobre o texto enquanto leio. Esse vídeo possui duração de quase 42 minutos e, apesar de longo e da minha dicção não ser boa, é muito engraçado (ou pelo menos, eu achei engraçado, não sei quanto a você que está lendo isso). Os outros dois vídeos são só testes idiotas feitos na webcam.

Seguem os vídeos abaixo:

Eu lendo A Moreninha, capítulo 12:

Cabelo esquisito:

Félix, o gato branco com olhos verdes:

E um próspero ano novo de 2013 a todos, e que o mesmo seja melhor que esse ano!

São Paulo versus Praia Grande

Posted in Temas polêmicos on 05/12/2012 by Allan Taborda

Ultimamente, não tenho tido muito tempo para escrever nos meus blogs, mas acredito que eu volte a ter tempo a partir de agora. No post de hoje, descreverei os motivos de eu achar que São Paulo é uma cidade melhor para se morar do que Praia Grande (pelo menos para mim). Caso discordem dos meus pontos de vista e/ou desejem contra-argumentar em favor de Praia Grande, vocês podem efetuar comentários ao final deste post.

Cada vez mais pessoas estão vindo morar em Praia Grande e a população da cidade vem subindo a cada ano. Por outro lado, a cidade de São Paulo tem uma tendência de queda em sua população, pelo menos nos últimos tempos. Atraídos pela ideia de morar em um lugar não tão agitado quanto a capital paulista, com praia e mais algumas supostas vantagens, somando ao fato de que imóveis em Praia Grande saem mais baratos do que os de muitas regiões da capital, muitas pessoas, incluindo muitos idosos, optam por sair de São Paulo rumo a esta cidade na qual morei por quase 20 anos.

Cada um tem seus motivos particulares para mudar de cidade e preferir uma ao invés da outra. Eu, que já estou em São Paulo já há algum tempo, acabei vindo parar aqui por um motivo em específico, que é o de que eu passei a trabalhar aqui. Entretanto, acabei descobrindo outros que me fizeram ficar de vez por aqui, indo para Praia Grande apenas para visitar os familiares que ficaram por lá. E, no geral, acabei por concluir que São Paulo é uma cidade melhor para se morar do que Praia Grande.

Como eu disse, eu vim para a capital paulista porque passei a trabalhar aqui. Em Praia Grande, há muito poucas vagas de emprego para profissionais qualificados de um modo geral, não apenas na área da informática, mas em muitas áreas especializadas. Em informática, tirando as vagas de técnicos de hardware que ganham um salário de fome, praticamente não há vagas de emprego, e em desenvolvimento de software, que é a minha área de atuação, menos ainda.

Se um programador opta por trabalhar em Praia Grande, ou ele vai ter que fazer bicos e trabalhar como freelancer, desenvolvendo pequenos sistemas para empresas menores, como por exemplo sistemas de cadastro de clientes para lojas que vendem alguma coisa, ou ele terá que tentar a sorte em algum concurso público da prefeitura ou de algum órgão que, por sorte, esteja oferecendo vagas a essa categoria de profissional.

Em São Paulo, há muitas vagas de emprego para as mais diversas áreas, principalmente as que requerem profissionais qualificados. Em desenvolvimento de software, chovem vagas de emprego, principalmente para as linguagens de programação mais populares. No site Apinfo.com, a grande maioria de vagas são para trabalhar na cidade de São Paulo, com muitas vagas para programador Java, DotNet, PHP e outras plataformas.

Eu não disse que não há empregos em Praia Grande, há empregos na construção civil, vagas para trabalhar no comércio, e outras, mas tais tipos de empregos também existem em São Paulo.

Outro motivo é a infraestrutura de ambas as cidades. Enquanto em Praia Grande há apenas um hospital, que funciona em condições horríveis, bem como as unidades de saúde do município, que não são muitas, em São Paulo há vários hospitais e unidades de saúde. A qualidade dos serviços de saúde também não é 100%, deixando a desejar muitas vezes (isso varia de unidade de saúde para unidade de saúde), mas não é pior do que em Praia Grande, onde as consultas médicas tem que ser remarcadas uma série de vezes devido à falta de médicos (só para citar um exemplo de problema), além de outros problemas já conhecidos da população.

E não é só na infraestrutura da saúde pública que São Paulo é melhor do que Praia Grande, em todas as áreas a infraestrutura de São Paulo é melhor. Há muitos tipos de lugar que existem em São Paulo e que em Praia Grande simplesmente não tem nada, como lojas especializadas e determinadas opções de lazer, por exemplo.

Onde tem loja que vende discos de vinil em Praia Grande? Em São Paulo tem! Lojas de CD em Praia Grande eu só conheço a do hipermercado Extra e as das Lojas Americanas. Em São Paulo, andando pelo centro da cidade a fim de fazer não sei o quê, topei com uma e comprei uns CDs difíceis de achar hoje em dia. E biblioteca? Em São Paulo, tem algumas, com destaque para a que fica localizada próximo ao Metrô Carandiru, e ao lado há um belo parque, o Parque da Juventude. A de Praia Grande, quando eu fui precisar consultar livros para fazer o TCC da faculdade, o máximo que a bibliotecária tinha para me oferecer era um livro velho de Delphi versão 2.0 e só. Zoológico, autódromo e estádio de futebol, esquece, provavelmente nunca vai ter naquela cidade. Comércio popular? Em São Paulo há a 25 de Março, além de outros polos especializados, como a Santa Efigênia, especializada em eletrônicos. Em Praia Grande, só há um pedaço da Avenida Vicente de Carvalho, formado por alguns quarteirões, com lojas mixurucas, além da feira livre que ocorre de fim de semana do outro lado da pista.

Pontos turísticos em São Paulo tem um monte, como o centro histórico, o Theatro Municipal (é assim mesmo que se escreve), que também fica no centro histórico, o Zoológico, o Parque da Juventude e a Biblioteca Municipal, já anteriormente citados, o parque que fica na região da Luz que não sei ao certo o nome (acho que deve ser Parque da Luz ou algo assim), o MASP e muitos outros lugares. Em Praia Grande tem a praia (eu particularmente não vejo graça nisso, mas há quem goste), um teatro (na verdade, o Palácio das Artes) que fica onde o Mourão perdeu as botas, um shopping que fica tão longe quanto (fica perto do Palácio das Artes, e fora esse shopping tem mais um outro menor), tem a Praça das Bolas (ih, esqueci, a prefeitura acabou com a praça), o aeroclube (ah, esqueci que o aeroclube foi fechado e atualmente está em ruínas…), a Praça das Cabeças (se bem que ninguém gosta daquela praça, só o prefeito gosta daquilo) e… Só! Ah, tem também o Forte Itaipu, mas eu não sei se está aberto à visitação pública, tipo, se chegando lá dá para entrar ou não.

O trânsito de São Paulo é bastante caótico, principalmente na chamada hora do rush, onde muitas pessoas precisam ir ou voltar do trabalho em um mesmo horário e por uma mesma via. Praia Grande, no momento, tem um trânsito melhor, mas com cada vez mais gente indo morar nesta cidade, a tendência é piorar, ainda mais com as intervenções desastrosas feitas pela prefeitura na Avenida Presidente Kennedy, que deixou tal avenida uma tremenda duma porcaria, com voltinhas estranhas (foi por causa de uma dessas voltinhas que acabaram com a Praça das Bolas, pois o espaço da voltinha ocupou o da praça), ciclovia no meio da pista (deveria ser nas laterais, no meio pouca gente usa, muitos continuam andando pelas laterais da via) pista estreita em alguns pontos de tal modo que, se um carro andar devagar, atrapalha todo o fluxo de veículos e/ou não é possível se manter em uma faixa, tendo que invadir a faixa lateral, semáforos em cruzamentos com ruas pouquíssimo movimentadas e tempo de sinal vermelho exagerado, pouquíssimo espaço entre a ciclovia e a pista para os pedestres passarem, tendo que muitas vezes dividirem o mesmo espaço das bicicletas, impossibilidade de entrar, sair da avenida ou fazer o retorno sem ser por alguns pontos da mesma, tendo que gastar mais combustível, e outros problemas bizarros na principal avenida da cidade. Em Santos e São Vicente, cidades da mesma região, já há problemas no trânsito, cheguei a ficar preso num congestionamento com minha mãe em São Vicente quando fiz a certificação SCJP (e a história toda foi postada neste blog). Em Praia Grande, em breve, não será diferente, mesmo sem ter muito lugar para ir, como explique nos parágrafos anteriores.

O transporte público praiagrandense possui uma passagem cara demais para o trajeto percorrido, apenas dez centavos a menos que o transporte público de São Paulo (formado não só por ônibus, mas também por metrô e trem), isso se não optar por modalidades mais baratas de tarifas, como a do Cartão Fidelidade, tarifa do madrugador, desconto da linha 9 da CPTM no horário das 9 às 10 da manhã, etc. Aí a tarifa fica mais barata do que a do ônibus de Praia Grande.

Além do preço, os ônibus de vez em quando vem lotados, além de demorarem a chegar. Isso, infelizmente, também ocorre na capital, principalmente na hora do rush. Mas pelo menos tem um monte de mulher bonita no transporte público, em maior quantidade do que na terra do Mourão. Eu, particularmente, não vejo problema em pegar metrô lotado, ainda que a linha vermelha possua uma situação bastante tensa devido ao saturamento da mesma (mas há planos e obras em andamento para tentar mudar isso).

Por fim, ainda que São Paulo não tenha dado sorte com os últimos prefeitos (vamos ver agora com o Fernando Haddad se a cidade deu mais sorte, espero que sim), é possível eleger prefeito e vereadores de qualquer partido, ainda que da oposição, já em Praia Grande, onde o povo é masoquista e as eleições costumam ter suspeitas de fraude de vez em quando (principalmente a de 2008, quando o Boneco Assassino venceu o pleito dessa forma), teremos que aguentar mais quatro anos de Mourão, com apenas dois vereadores da oposição gritando THIS IS SPARTAAAAAAA na câmara de vereadores perante a absoluta maioria de aliados do Mourão. Ah, e um candidato a vereador que reconhecidamente e assumidamente comprou votos na eleição de 2008 se elegeu nesse pleito, e não duvido que tenha comprado votos de novo, principalmente se tratando de uma cidade onde a cultura do povo é de parar de estudar cedo para começar logo a trabalhar. Até um conhecido meu que era da área da informática fez isso e não concluiu o Ensino Médio.

Talvez exista algum outro motivo menos importante que agora eu não me lembre, mas o mais importante é isso. Caso discordem e/ou tenham algo a acrescentar, deixem um comentário.