Archive for the Música Category

Allan encontra Lena Katina (e vai ao show da mesma)

Posted in História, Música on 25/11/2013 by Allan Taborda

Após mais de cinco meses sem nenhum assunto interessante para postar, hoje relatarei o meu encontro com a cantora russa Lena Katina, ex-integrante da dupla t.A.T.u. (ou não tão ex-integrante assim, visto que ela ainda faz alguns shows com a Yulia Volkova, a outra integrante da dupla), em um jantar no hotel onde a mesma se hospedou, bem como o show feito por ela no feriado da proclamação da república.

Tudo começou no final do mês de Julho, quando teve início o financiamento coletivo de um show da Lena Katina em São Paulo no Queremos, um site de financiamentos coletivos de shows musicais. O site funciona da seguinte maneira: um determinado show musical é agendado para uma data futura, mas não é confirmado de imediato seu acontecimento. Para que um show seja confirmado, um determinado número de cotas pré-estabelecido precisa ser vendido e, somente após esse número de cotas ser completamente vendido, o show é confirmado e acontece na data marcada, caso contrário, é cancelado e o dinheiro arrecadado é devolvido.

Cada cota vendida, geralmente, dá direito a um ingresso e, dependendo do show, caso o “empolgado” (como é chamado quem compra cotas no site Queremos) compre duas ou mais cotas, este tem direto a algum benefício pré-estabelecido referente ao show, como conhecer o artista pessoalmente. Pelo mesmo site, é possível pedir um show de um determinado artista ou banda em uma determinada cidade, o que dá a ideia acerca da demanda de um show de algum artista ou banda em uma determinada cidade.

Para o show da Lena, agendado para o dia 15 de Novembro, eram necessárias 400 cotas a serem vendidas, cada uma a 70 reais, e caso o “empolgado” comprasse duas cotas, poderia conhecer a cantora pessoalmente, tirar foto com ela, obter um autógrafo dela e falar alguma coisa rápida com a mesma, e tal encontro era chamado de “meet & greet” (algo como “encontre e cumprimente”).

O prazo para o financiamento coletivo encerrar era de 20 dias, entretanto, as vendas não estavam alavancando e, após 10 dias do início do prazo, cerca de 100 cotas haviam sido vendidas apenas. A fim de alavancar a venda de cotas, a organização do show lançou uma promoção: os primeiros cinco “empolgados” que comprassem 10 cotas ganhavam um jantar exclusivo com a Lena Katina, realizado um dia antes do show, no dia 14.

Após ficar sabendo acerca do financiamento coletivo do show da Lena e da promoção do jantar com a mesma, eu, que sou muito fã do t.A.T.u. e consequentemente da Lena, após pensar durante alguns dias e vendo que eu tinha um dinheiro guardado, comprei as 10 cotas, (comprei primeiro 4, e depois que a fatura do cartão de crédito fechou e a mesma foi paga, mais 6, uma vez que meu limite não é muito alto). Além de mim, uma moça chamada Thamiris também comprou 10 cotas. Mais ninguém comprou as 10 cotas além de nós dois.

De maneira dramática, as cotas foram sendo vendidas, e alguns patrocinadores compraram algumas cotas e estamparam seus logotipos no mosaico de cotas da página do site Queremos referente ao show da Lena Katina. Faltando menos de dois dias, todas as 400 cotas foram vendidas e o show foi confirmado. Fiquei extremamente feliz com a confirmação do show e vibrei muito, pois iria ver uma das minhas cantoras favoritas pessoalmente e iria ainda jantar com a mesma.

Algum tempo depois, quando a minha mãe veio me visitar aqui em São Paulo, eu contei para ela acerca do show da Lena Katina, que eu ia no show, e também sobre o jantar que eu ia ter com ela um dia antes do show. Minha mãe detestou a ideia e disse para eu não ir no show, pois lá ia ter um monte de usuários de drogas fazendo uso das mesmas e poderia ser perigoso andar à noite, além de eu acabar ficando no meio da multidão. Eu respondi que não ia acontecer nada disso e que não ia ter tanta gente no show (e de fato não teve, se comparar o show da Lena com outros de maior tamanho, que ocorrem em casas de shows maiores do que o Hangar 110, que é uma casa de shows relativamente pequena, onde geralmente são realizados shows de bandas de rock alternativas).

O tempo passou e eis que chegou o dia do jantar com a Lena Katina. Dias antes, perguntei aos organizadores do evento onde e que horas iria ser o jantar, e me responderam que iria ser no hotel onde a Lena estava hospedada (me deram o endereço do hotel), às 21 horas (no dia, alteraram o horário para as 19 horas, o que foi até bom, pois eu não iria mais precisar forrar o estômago com alguma coisa para não ficar azul de fome até lá e nem precisaria matar o tempo em algum outro lugar).

Saí do serviço morrendo de ansiedade, peguei o metrô e fui até o hotel onde a Lena estava hospedada, a 10 minutos a pé da estação Trianon-Masp. Chegando lá, perguntei sobre o jantar e me pediram para aguardar num sofá que havia na recepção do hotel, pois eu havia chegado com uns minutos de antecedência. No sofá, estavam sentados uns repórteres da MTV que vieram para entrevistar a cantora russa.

Acabei puxando assunto com o pessoal (nem sabia que eram da MTV, depois que eles me falaram), a repórter (Talita Alves, do programa Coletivation, e que também é cantora) disse que ia entrevistar ela e tal, e depois de uns minutos, um rapaz chamado Jonathan (conhecido como Johnny, que era um dos organizadores do jantar e também fã da Lena) me chamou e me levou até o restaurante do hotel. Vieram junto comigo, além do Johnny, a Thamiris e a equipe da MTV.

Eu, o Johnny e a Thamiris nos acomodamos em uma mesa que acabou não sendo a mesa onde ocorreu o jantar, ficamos lá mais para esperar a Lena chegar. Aguardamos um pouco e então chegou a Lena. Eu estava muito ansioso desde que saí do serviço, e até aquele momento eu estava bem ansioso, mas como a Lena foi chegando “aos poucos”, consegui controlar a ansiedade. Primeiro avistei-a de longe enquanto ela falava com não sei quem, posteriormente ela caminhou até o fundo do restaurante, onde concedeu a entrevista à equipe da MTV. No caminho, a Lena me cumprimentou dizendo “Hi”, eu respondi “priviet”, (“olá” em russo), e ela respondeu de volta “priviet” e pegou na minha mão.

Durante a entrevista com a MTV, eu, que tinha levado uma câmera fotográfica digital, tirei uma foto de longe da Lena Katina sendo entrevistada, aí o Johnny me chamou atenção, pois fotos com flash poderiam prejudicar a entrevista. Depois chegou a equipe da Rede TV! que também entrevistou a Lena, em um local ligeiramente diferente.

Durante a entrevista com a Rede TV!, falei um pouco com o Sven Martin (o músico que trabalha com a Lena e que também veio para o jantar) arriscando algumas palavras em inglês (basicamente me apresentei e disse que eu trabalhava como programador), e depois tirei uma foto ao lado dele. Aproveitei e tirei também uma foto com a Talita Alves da MTV. Ambas as fotos foram tiradas com a minha câmera digital. Também saí de papagaio de pirata na foto de não sei quem. Nesse meio tempo, um dos garçons do local me perguntou quem era a moça que estava sendo entrevistada e eu respondi a ele que era a Lena Katina, fazendo uma breve explicação da carreira da cantora.

Depois das entrevistas, aí sim, fomos jantar, numa outra mesa, mais no interior do restaurante. A Lena sentou-se na ponta da mesa, o Sven se sentou à esquerda da Lena, o Johnny se sentou á direita, a Thamiris se sentou ao lado do Sven e eu me sentei ao lado do Johnny.

Aí eu me apresentei à Lena, disse “Menya Zovut Allan Taborda dos Santos” (“Meu nome é Allan Taborda dos Santos” em russo) e ela me respondeu “Prazer em conhecê-lo” em russo, que agora não me lembro as palavras dela, pois não aprendi a falar “Prazer em conhecê-lo” em russo, visto que eu estou no começo do aprendizado do idioma, aí o Johnny teve que traduzir para mim a partir da tradução da Lena para o inglês.

Aí a gente ficou conversando, mas a Lena falava mais do que o resto, até porque ela tinha mais assuntos. Me lembro que conversamos sobre a cidade de São Paulo, os lugares que tinham aqui, eu falei que eu estava gostando muito de morar aqui, eu comentei que eu morei na maior parte da minha vida em Praia Grande e antes eu morei em Curitiba, depois ela falou sobre a Rússia, falou sobre a KGB (acho que era sobre um livro que ela leu, que na KGB ninguém confiava em ninguém e mais não sei o quê), sobre a vida pessoal dela e do Sven, falamos sobre a comida também, além de outros assuntos, em mais ou menos umas duas horas de jantar.

Eu era o único que não sabia falar inglês, apesar de saber mais ou menos ler e escrever nesse idioma, mas eu entendia algumas coisas que eles conversavam. Outras eu pedia para o Johnny traduzir e, quando eu falava algo, o Johnny traduzia para o inglês. Não falei muito com ela, mas eu falei o mesmo que eu costumo falar quando eu converso com outras pessoas.

Na mesa ao lado, estava o ator Oscar Magrini e mais umas pessoas que o acompanhavam, todavia não chegamos a falar com ele, mas comentamos com a Lena sobre o ator.

Jantei uma carne enorme com uma batata recheada com queijo dentro e uns tomates com um outro queijo em cima. A Lena pediu a mesma coisa, a Thamires também, e o Johnny pediu um negócio que eu não entendi bem o que era, só sei que tinha alface. Era alface com umas tiras de não sei o que em cima. não me lembro o que o Sven pediu (acho que eu nem vi o que ele pediu). Para beber, pedi uma água de coco de caixinha (me embananei todo para abrir o bagulho), a Lena pediu chá, a Thamiris pediu suco, o Sven uma bebida aparentemente alcoólica que eu não sei qual era e o Johnny pediu guaraná.

As bebidas chegaram primeiro que as comidas, aí, quando eu consegui abrir a água de coco, eu ofereci à Lena, entretanto, ela entendeu que eu tinha proposto um brinde. Aí fizemos tintim, mas a bebida da Thamiris ainda não tinha chegado e o Sven deu um pouco da bebida dele para ela, aí ela acabou tomando duas bebidas.

Depois do prato principal (no qual após eu terminar de comer, eu disse ao garçom, no momento que este recolheu o prato, que o jantar estava ótimo), veio a sobremesa, que era sorvete. Tinha três opções de sabor, todo mundo (menos o Johnny, que me parece que não pediu sorvete) escolheu o de jabuticaba (não me lembro quais eram os outros sabores), que inclusive era rosa (nem sabia que sorvete de jabuticaba era dessa cor). Acho que foi o melhor sorvete que eu já tomei na vida. E ainda a porção de sorvete era generosa.

Sobre o cardápio, o mesmo não era muito vasto, mas havia opções boas de jantar e de bebidas. Apesar do custo do jantar já estar incluído no valor das 10 cotas que eu comprei (ou seja, não precisei pagar a consumação), no cardápio, constava o valor de cada pedido. O prato que eu pedi estava saindo 54 reais mais ou menos, e a água de coco uns 8 reais. O sorvete eu não vi o preço, pois o garçom ofereceu os sabores sem mostrar o cardápio.

Terminado o sorvete, foi a hora de tirar fotos. Com a minha câmera, foi tirada uma foto comigo entre a Lena e o Sven e uma com a Lena e comigo do lado (eu já tinha tirado uma ao lado do Sven). Também foi tirada uma da mesa com todo mundo em seus respectivos lugares. Ou melhor, duas da mesa, uma com a minha câmera e outra com o celular do Johnny, celular este que tirou outras fotos, como a com a Lena, a Thamiris e o Sven.

Nessa hora, também foram dados autógrafos. A Lena me deu um autógrafo em um papel que eu tinha levado (e o Sven também, embaixo do da Lena). A Thamiris levou um CD do t.A.T.u., acho que era a edição de aniversário de 10 anos do primeiro álbum da dupla.

Após terminado o jantar, foi todo mundo (inclusive a Lena) para a porta do hotel onde ficamos conversando mais um pouco. Alguns (inclusive a Lena) acenderam cigarros, entretanto, a cantora disse que pretendia parar de fumar para preparar o corpo para a maternidade, pois estava pensando em ter um filho. Ela também comentou que estava meio frio, então eu comentei que há pouco tempo atrás havia feito 33 graus na capital paulista. Falamos também outras coisas além disso.

Por fim, nos despedimos. Cumprimentei todo mundo, inclusive a Lena, que me abraçou e então eu beijei o rosto da cantora. Então fomos embora e a Lena e o Sven entraram novamente no hotel. Retornei para casa feliz da vida.

Na volta, voltei de metrô e a linha vermelha deu problema e fiquei esperando vários minutos pelo trem chegar. Aí lotou a composição, e o pior é que tinha um monte de torcedor do Santos comemorando a vitória do time naquele dia, aí o pessoal meio que ficou cantando dentro do trem.

Após terem sido feitas todas as fotos, eu removi o cartão de memória da câmera e guardei por precaução, para o caso de roubarem a câmera no caminho de volta, não perder as fotos que tirei. Aí, chegando na estação próxima ao local onde moro, me certifiquei se o cartão de memória com as fotos estava no meu bolso, aí eu vi que não estava. Procurei na minha bolsa e não achei. Já começando a achar que eu tinha perdido as fotos, procurei no compartimento da bolsa onde eu havia guardado a câmera e lá estava o cartão. Na pressa de remover o cartão, acabei por guardá-lo junto à câmera. Aliviado, pus o cartão de memória no bolso e caminhei até o local onde moro, e tão logo eu cheguei, publiquei as fotos no meu Facebook.

Como eu disse anteriormente, cada cota do financiamento coletivo do Queremos comprada dá direito a um ingresso. Como eu comprei 10 cotas mais por causa do jantar, então eu fiquei com 9 ingressos sobrando. Sem saber o que fazer com tanto ingresso, ainda no dia 14 resolvi postar no evento do Facebook relativo ao show da Lena Katina que eu tinha ingressos sobrando. Alguns me contataram e combinamos de nos encontrar próximos ao Hangar 110, casa de shows onde ocorreu o show e o meet & greet.

No início, antes de vir para o show, eu pensava em vender os ingressos, posteriormente eu passei a cobrar apenas pelos ingressos com direito a meet & greet o mesmo valor que eu paguei e os demais eu daria em troca de uma gratificação não obrigatória qualquer, mas eu acabei dando todos e recebendo algumas gratificações.

No dia seguinte, 15 de Novembro, foi o dia do show, que estava marcado para às 19 horas. O período do meet & greet foi das 14 às 17 horas. Eu estava me programando para chegar lá às 14 horas, mas me atrasei um pouco por causa do almoço e também devido a eu ter me embananado para chegar ao local do show, partindo da estação Armênia do metrô, pois não sabia por qual saída da estação eu deveria sair.

Chegando lá, havia uma fila um pouco grande, mas não de virar o quarteirão, que era a fila para o meet & greet com a Lena. Informei-me como eu devera fazer para retirar meus ingressos, uma vez que quem comprou as cotas no site Queremos deve retirá-los no dia e local do show, e então me informaram que a fila dos ingressos era a mesma da do meet & greet e que a pessoa já pegava o ingresso e já entrava para ver Lena.

Após ir para o fim da fila, contatei as pessoas que combinaram comigo de pegar ingressos por meio de torpedos SMS, a maioria já estava na fila e um estava do meu lado. Uma perguntou por SMS como eu estava e eu respondi que estava bem e que estava no fim da fila, aí ela enviou outro SMS dizendo que tinha perguntado como eu estava vestido e depois eu respondi que estava de camisa regata azul. Aí eu me encontrei com o pessoal, incluindo uma adolescente de 17 anos conhecida como Jenny (que até tinha ingresso para ela, mas ela ia pegar para uma amiga dela que não pôde comprar), que me acompanhou até o fim do show e ainda tiramos fotos juntos posteriormente. Junto com a Jenny, viram alguns amigos dela também.

Depois de um tempo na fila e tomando uma boa quantidade de sol que me deixou um pouco queimado, chegou a hora de eu pegar os meus ingressos e eu os peguei, mas deixei a Jenny passar na minha frente, mas teve um problema com o ingresso que ela ia pegar porque ela comprou o ingresso dela de segunda mão de uma outra pessoa e para pegar o mesmo, tinha que ser a pessoa que comprou originalmente o ingresso, aí eu peguei os meus ingressos, mas não fui direto para o meet & greet (tinha essa opção, mas aí, para ir ver a Lena novamente, tinha que pegar a fila novamente). Algum tempo depois, chegou a pessoa que vendeu os ingressos à Jenny e nesse meio tempo, eu passei para frente alguns dos ingressos para alguns que haviam combinado comigo de pegá-los.

Quando a gente voltou para a fila, ela já não estava tão grande e não precisamos esperar tanto para nos encontrarmos com a Lena Katina no meet & greet. Novamente, deixei a Jenny ir na frente, aí o rapaz da bilheteria carimbou nossos ingressos e fomos ver a Lena. A organização do evento liberava a entrada de um grupo de três ou quatro pessoas por vez (acredito eu), mas cada pessoa era atendida individualmente pela cantora, que autografava algo levado pelo fã e tirava uma foto com o mesmo (ou melhor, quem tirava a foto do fã e da Lena era uma fotógrafa que havia lá, parece que era a Patrícia Devoraes). Na entrada, uma moça que fazia parte da organização relembrava que não era permitido gritar, abraçar, beijar, agarrar ou puxar a Lena, caso contrário, o infrator seria posto para fora sem direito a retorno.

Enquanto a Lena atendia uma outra pessoa, eu dei um “oi” para Sven Martin (que estava acompanhando o evento) e falei para a Jenny que aquele era o Sven, o músico da Lena. Mas a menina parecia que estava hipnotizada e só olhava atônita para a cantora, como se não acreditasse no que via e eu acho que nem escutou o que eu falei. Ela levou umas fotos da Lena para serem autografadas, falou algo com ela e tiraram uma foto juntas. Chegando a minha vez, a Lena me reconheceu do jantar. Como eu já tinha pedido autógrafo no jantar, eu não trouxe nada para ser autografado, então ela pegou os ingressos que eu estava segurando e autografou todos. Não me lembro o que eu falei para a Lena naquele momento. Tiramos a foto e saí (o meet & greet foi rápido, cerca de um minuto), me encontrando novamente com a Jenny do lado de fora.

Depois, eu, a Jenny mais uns amigos dela fomos ao shopping D, que fica próximo do local. Ficamos um tempo lá, conversamos um pouco (falei bem pouco, menos do que no jantar), o pessoal comprou algumas coisas para comer e beber (eu não comprei nada por não estar com fome naquele momento), compraram mais não sei o que, e lá para umas 18 horas retornamos ao Hangar 110, onde fomos para a fila para entrar no show, de tamanho semelhante à fila anterior, e onde me livrei dos demais ingressos que eu ainda tinha comigo.

Um pouco tempo depois que a gente chegou na fila, flagramos a Lena Katina saindo da casa de shows pela porta da frente e entrando num carro. O carro deve ter levado-a de volta ao hotel para a cantora se arrumar para o show.

Apesar de no ingresso constar que a abertura da casa era às 19 horas e que o início do show era às 20 horas e 30 minutos, a casa abriu quase umas 20 horas. Um pouco antes, tirei algumas fotos com o pessoal (foi aí que eu percebi que a câmera digital que eu havia levado estava sem cartão de memória, pois quando eu removi o cartão no dia do jantar, eu acabei o substituindo por um adaptador microSD vazio, mas eu acabei usando o celular para fazer as fotos), além disso, fiquei com fome (eu estava sem comer a algum tempo) e comprei um cachorro quente de um vendedor que lá havia.

Na entrada, dois seguranças, um homem e uma mulher, revistavam todos os que entravam, com o homem revistando o homens e a mulher revistando as mulheres. Na hora de me revistar, o homem achou que meu celular fosse algo estranho e me pediu para mostrar o mesmo, apesar disso, não pediu para ver a câmera digital que estava no outro bolso, ele viu também o meu RG e depois me liberou para entrar. No caso da Jenny, demorou um pouco mais para ela entrar, pois ela estava com uma bolsa, aí tinha um suco que ela trouxe e não podia trazer nada de fora para consumir e ela teve que beber o bagulho antes de entrar no local, então eu fiquei esperando a Jenny enquanto a música eletrônica de antes do show tocava. Algum tempo depois, ela entrou e ficamos mais ou menos próximos do palco onde a Lena posteriormente se apresentou.

O interior do lugar não era muito grande (como acredito que devem ser outras casas de show), mas era suficientemente grande para acomodar as pessoas que ali estavam. Basicamente era uma pista onde todo mundo ficava em pé com um palco no fundo e uma área onde era possível comprar bebidas (mais detalhes nas fotos ao fim deste post).

O início do show demorou a ocorrer e se deu mais de uma hora e meia depois de entrarmos na casa de shows (acho que o relógio do Hangar 110 no qual se basearam os horários estava errado). Em alguns momentos, parecia que o show ia começar, mas não começava e outra música eletrônica tocava. Nesse meio tempo, deu tempo da Jenny ir comprar algo para beber e ir ao banheiro. Também nesse meio tempo, a produção do evento ajustou algumas coisas, como câmeras e uma bandeira do Brasil na parte de cima do lugar, que era restrita ao público. Nessa parte de cima com acesso restrito, a Lena Katina foi vista andando de um lado a outro, apesar de que a grande maioria dos que lá estavam não viram (e nem eu vi, fiquei sabendo por uma amiga da Jenny).

Depois de muita demora e do povo começar a pedir o início do show, gritando “Lena! Lena! Lena! Lena!”, eis que as cortinas do palco se abrem e o show começa com a Lena Katina, agora com cabelos mais loiros, cantando uma versão remix de Never Forget You (remix até pelo fato da Lena não estar com a banda completa, com apenas o Sven tocando).

A partir daí, ninguém ficou parado durante mais ou menos uma hora de show, onde a Lena Katina cantou suas músicas de sua carreira solo e alguns sucessos do t.A.T.u., com destaques para All The Things She Said (onde em um determinado momento da música, vários casais homossexuais que ali estavam se beijaram), Polchasa (versão em russo de 30 Minutes, inclusive o povo pediu para a Lena cantar uma música em russo) e Lift Me Up (onde vários balões vermelhos e brancos surgiram, uma ideia da equipe da casa de shows).

Ao final do show, eu e o grupo da Jenny ficamos mais um pouco no local e, depois das 23 horas, me despedi do pessoal e saí do Hangar 110 (tive que ir embora até porque eu tinha que pegar metrô e o mesmo fecha meia-noite). Nesse meio tempo, minha mãe me ligou para saber se estava tudo bem comigo. Na saída do estabelecimento, perguntei a uma moça que ali se encontrava e que se chamava Bianca o caminho até a estação Armênia do metrô e, para a minha surpresa, ela me informou que o caminho era uma linha reta (se eu soubesse disso antes, eu não teria me embananado tanto para chegar ao local). Reparei que ela pensou que eu fosse de outro país, provavelmente pela minha fala peculiar de Asperger. Agradeci a informação e fui embora, pegando um metrô tranquilo. A Jenny e seus amigos ficaram mais tempo e conseguiram ver a Lena novamente, saindo da casa de shows, e voltaram para casa de madrugada.

No dia seguinte, fiquei num estado que eu não sei descrever direito, seria tipo meio cansado, uma espécie de ressaca (embora eu não tenha bebido), sei lá, provavelmente devido a eu ter tido uma interação social intensa na qual eu não estou acostumado. Nesse mesmo dia, a Lena e o Sven participaram de um “meeting”, um evento de duas horas mais ou menos onde fãs faziam perguntas a ambos, evento este que eu não participei, pois custava 250 reais e eu já estava satisfeito em ter jantado com a Lena.

E acaba aqui o meu relato acerca da vinda da Lena Katina ao Brasil. Abaixo, seguem as fotos que eu tirei do jantar e do show:

SAM_0333

Aqui, um vídeo do show completo feito por uma outra pessoa (acho que foi feito pela organização do show, mas não tenho certeza):

Pesquisando no Youtube por “Lena Hangar 110”, há outros vídeos do show além deste.

Então é isso, pessoal, até o próximo post, que será feito quando eu tiver um assunto relevante no qual eu queira relatar neste blog.

Bônus: O vídeo a seguir não é de minha autoria, é de uma adolescente que inclusive eu vi na fila do meet & greet e no show chamada Myrella, é um vídeo feito um tempo antes do show e que eu quase chorei vendo o mesmo, e acredito que a autora do vídeo não vá se importar se eu divulgá-lo aqui:

(insira aqui um tipo de música que você detesta) é música boa!

Posted in Música, Temas polêmicos on 07/01/2013 by Allan Taborda

No primeiro post de 2013, irei falar sobre um assunto muito polêmico: gostos musicais. Nele, tentarei expor meus gostos musicais de uma maneira mais resumida possível. Além disso, provarei (ou tentarei provar) que, na verdade, toda música é boa independente de seu gênero, acreditem se quiser (e a explicação é bem simples).

Meus gostos musicais são muito variados, eu gosto de muitos gêneros musicais diferentes e, dentro de um gênero musical, há músicas que eu curta mais ou curta menos, ou não curta. Mas, para tentar resumir sem deixar nada de fora, acho mais fácil escrever que tipos de música eu não curto (e o restante é o que eu curto, com maior ou menos intensidade). Depois, eu irei escrever o que eu mais curto atualmente e o que eu mais curti há tempos atrás (na verdade, com o passar do tempo e quanto mais novas músicas são lançadas, as músicas que eu curto mais vão mudando, mas sem eu deixar de curtir as que eu curtia mais antes).

As músicas que eu não gosto se resumem a algumas categorias específicas. Observação: não tenho nada contra quem gosta de tais tipos de músicas e nem quem as canta, o meu não gostar é com as músicas em específico. São elas:

1) Músicas demasiadamente repetitivas, como por exemplo, alguns tipos de música eletrônica incluindo (mas não se resumindo a) o funk (o funk é uma música eletrônica, para quem não sabe), onde, tanto nas letras quanto nas batidas musicais, ocorrem exaustivas repetições, uma vez que tal gênero musical é de baixo orçamento e os compositores de funk aparentam não ter muita criatividade para compor o enredo e a melodia das músicas, nessa categoria, incluem-se também músicas com poucos acordes, como Legião Urbana;

2) Músicas com ritmo demasiadamente pesado e/ou com vocais muito gritados, como por exemplo, as tocadas bandas de rock como Metallica, Iron Maiden, Megadeath, bandas punk e similares;

3) Músicas cuja letra não é cantada, e sim falada durante a melodia, como por exemplo, quase a totalidade dos raps existentes, além de alguns funks (e as piores nessa categoria são as mais rápidas, onde o cantor vomita a letra);

4) Músicas cuja letra possui conteúdo reprovável a meu ver, como por exemplo, conteúdo machista, sexista, apologista ao consumo de álcool, maconha e/ou outras drogas, ou que só falem de sexo e/ou putaria;

5) Músicas que só falem de um tema específico, como por exemplo, músicas que só falem de legalização da maconha (tais músicas se encaixariam também na categoria do parágrafo acima), músicas gospel (só falam de religião) e outras;

6) Músicas onde o cantor ou cantora não possui vocação alguma para cantar, nessa categoria, incluem-se (mas não se limitam a) músicas cantadas por muitos cantores de funk, algumas bandas de forró e músicas semelhantes, algumas bandas de rock, etc. Na verdade, essa categoria independe de gênero musical, nela, há geralmente (mas não se limitando a) músicas do ritmo do momento que, pelo fato de ser um gênero de música que está fazendo muito sucesso, pipocam bandas e cantores sem vocação para a música que se aproveitam do sucesso do gênero musical e pegam carona no mesmo a fim de tentar ganhar dinheiro. Essa categoria é um pouco subjetiva, pois um determinado cantor ou cantora, na avaliação de alguns, não tem vocação para cantar, mas para mim ou outras pessoas, tem sim alguma vocação (o que ocorre é que alguns timbres de vozes não agradam a certas pessoas, como o da Joelma da banda Calypso, que, a meu ver, não se encaixa nessa categoria e em nenhuma outra aqui listada, mas há muitos que não curtem a voz dela e a maneira dela cantar);

7) Músicas demasiadamente melancólicas, como (mas não se limitando a) muitos tangos e fados (acredite, a música Everybody Hurts, do REM (e regravada pelo The Corrs), não chega nem perto de tais músicas em nível de melancolia e não se inclui nessa categoria, e muito menos é a música mais melancólica do mundo, como muitos dizem);

8) Músicas demasiadamente bregas, como as do Paulo Sérgio, Amado Batista e semelhantes, muitas delas dos anos 70 (mas há também de outras épocas, e até algumas atuais);

9) Músicas que, por algum motivo em específico, ainda que não se incluam nas categorias acima, eu não curta, são bem raras as músicas inclusas nessa última categoria, e eu não me lembro de nenhuma no momento.

Observação: nas vezes que me referi a funk nos parágrafos acima, me referi ao que atualmente é chamado de funk, que é um ritmo eletrônico brasileiro que se popularizou no início dos anos 2000, principalmente entre o público mais humilde, digamos assim. Na verdade, há várias denominações de funk além dessa, que serão abordadas em um post futuro.

Bom, espero que eu não tenha esquecido nenhuma categoria de música que eu não curta, mas creio que sejam só estas aí, se houver mais alguma, eu edito o post, mas acho que é só isso mesmo.

Então, seu Allan, músicas de Luan Santana, Gustavo Lima, Justin Bieber, Miley Cyrus, KLB e Michel Teló não se incluem em nenhuma das categorias acima, então você curte essas músicas?

Não é que eu curta, de ficar escutando, o que ocorre é que eu não “não curto”, se tiver tocando, não vai ter problema nenhum, digamos que eu curto, mas muito muito muito pouco. Na verdade, Michel Teló eu até curto.

Eu divido as músicas em três categorias principais: A, B e C. Na categoria C, encontram-se as músicas que eu não gosto, que se encaixam em pelo menos uma das subcategorias anteriormente listadas. Na categoria B, encontram-se as tipo a do parágrafo anterior, as músicas que eu não tenho nenhum problema em ouvir, mas não são músicas que eu adore. E na categoria A, são as músicas que eu gosto mesmo.

Vou escrever quais tipos de música eu curto, ou melhor, vou escrever o principal, pois há muita música que eu curto e que se encaixa na categoria A, muita mesmo.

A maioria das músicas que eu curto (mas não todas, obviamente) são cantadas por vozes femininas, muitas delas são músicas do gênero pop, há também músicas mais eletrônicas, rocks moderados, algumas músicas dos anos 80 e 90 (apesar de eu não ser dos anos 80, mas não são todas as dos anos 80 e 90 que eu curto), sambas, pagodes, música baiana, alguns tipos de música sertaneja, músicas de alguns países diferentes, como Alemanha, Rússia, Japão, Itália e outros (uma das últimas descobertas que fiz na Internet foi uma cantora da Eslováquia chamada Petra Kepenova, mas ainda não tive muito tempo de pesquisar mais sobre músicas dela e só ouvi algumas poucas), músicas instrumentais, música clássica, e por aí vai (não acredito que consegui sintetizar tudo o que eu gosto de música em um parágrafo tão curto).

Atualmente, tenho escutado Shakira (estou escrevendo este post ouvindo Shakira), T.a.t.u (apesar da dupla ter se desfeito), Nena (cantora alemã dos anos 80 que canta até hoje, e curto tanto músicas antigas dela quanto novas), Kim Wilde (idem à Nena, apesar da Kim ser inglesa), Ace Of Base (desde o primeiro CD, de 1993, até o último, lançado em 2010, com uma nova formação da banda), The Corrs, Adele, Heart (uma banda de rock formada por garotas), etc. Mas as músicas que eu mais escuto variam de tempos em tempos, e já escutei bastante (ainda escuto, mas com uma frequência um pouco menor, mas pode ser que eu volte a escutar mais vezes, dependendo das minhas vontades musicais) Celine Dion, Avril Lavigne, Kyle Minogue, Kid Abelha, Gwen Stefani, Madonna, Michael Jackson, Sandy e Junior (principalmente na época do auge da dupla, bons tempos eram aqueles), uns pagodes, etc.

Por último, eu irei explicar o porque de todas as músicas existentes serem boas músicas, inclusive as listadas dentre as categorias de músicas que eu não gosto nos parágrafos numerados acima e inclusive as que você, leitor, não gosta. Pode parecer ilógico, mas é a mais pura verdade, acredite se quiser.

Na verdade, a explicação é bastante simples: para cada música, há alguém que goste, toda música tem seu público, toda música há alguém que a classifique na categoria A (supondo que todo mundo fizesse esse mesmo sistema de classificação de músicas que eu). Ou seja, toda música é boa para alguém. Você, ou eu, ou outra pessoa pode não gostar de tal música, mas há alguém que goste da mesma, há alguém que ache a música boa.

Mas, seu Allan, não tem como funk ser uma música boa, esse tipo de música é muito ruim! Ou melhor, funk nem é música, é barulho! Você mesmo escreveu que não gosta dessa porcaria! Como funk pode ser uma música boa?

Quando a gente não gosta de uma determinada música, o problema não está na música, está na gente que não gostou da música. E se a música fosse mesmo ruim, por que há gente que gosta da mesma? Outra coisa: da mesma forma que há quem goste das músicas que você não gosta, há também quem não goste das músicas que você gosta. Se for pensar da forma como está no parágrafo acima, tanto eu quanto você escutamos música ruim, já que há alguém que pensa a mesma coisa acerca das músicas que gostamos.

Espero que tenham gostado do post (se não gostaram, o problema não está no post, está em vocês que não gostaram do mesmo, visto há quem goste), e caso discordem de algo, ou mesmo caso não discordem, ou caso desejem perguntar se eu curto um tipo de música em específico (ou outro tipo de pergunta), escrevam suas considerações na seção de comentários.

O possível fim do CD

Posted in Música, Temas polêmicos on 07/11/2011 by Allan Taborda

Hoje eu irei comentar acerca de uma notícia recente que saiu na Internet em alguns sites de notícias, a notícia de que, no final de 2012, as gravadoras iriam deixar de lançar CDs, passando a vender música apenas por meio de download digital. Seria o fim da venda de música em mídia física praticamente, a não ser edições especiais de colecionador, como ocorre atualmente com o disco de vinil.

Há muita gente que já não compra mais CDs e prefere baixar as músicas de seus artistas preferidos pela Internet, seja em lojas de músicas on-line ou, na maioria das vezes, por “vias não-oficiais”, como os torrents e sites que oferecem discografias completas. Há outras pessoas que continuam a comprar CDs, mas muitas vezes pegam os CDs e convertem para MP3 (ou para outros formatos) a fim de ouvirem no computador ou no MP3 player (celular, iPod, etc), e em muitos casos, guardam o CD e acabam não mais o escutando, escutando apenas os MP3 copiados do CD. Outros ouvem os CDs mesmo, independente de copiarem as músicas para o PC ou não. E em muitos casos, o CD é obtido por “vias não-oficiais”, os chamados CDs piratas.

Por essas e outras, o CD muitas vezes é tido como um formato de distribuição de músicas obsoleto. Muitos já previam que um dia o CD ia deixar de existir, principalmente os nerds, que preferem tudo digital ao invés de gravado em mídia física, até filmes, que muitas vezes demoram horas para o download terminar e ainda faz o usuário ter o trabalho de buscar legenda em sites de legendas (e algumas vezes não achar as legendas, ou achar legendas fora de sincronia e/ou com erros de português), trabalho esse que não teria se comprasse o DVD/BluRay original.

E hoje, vi na Internet que as gravadoras, pelo fato do CD já não dar mais o lucro esperado, iriam disponibilizar os álbuns dos cantores e das bandas tudo por meio de download digital, por meio das lojas de músicas on-line. Só haveriam uns poucos lançamentos em CD, como edições de colecionador, vendidos pela Amazon e/ou alguma outra loja tipo a Amazon. Na verdade, as gravadoras ainda não se pronunciaram oficialmente acerca disso, parece que há apenas rumores disso acontecer.

Tem gente até comemorando que isto vai possivelmente acontecer, pessoas que ouvem apenas música baixada da Internet, dizendo que já sabiam que isto ia acontecer. Mas o fato é que, na minha opinião, o fato do CD deixar de existir pode acabar sendo algo muito ruim para muita gente que gosta de ouvir música, inclusive para os que preferem a música no formato digital. Vou explicar o porquê.

A maioria das lojas on-line de músicas vendem as mesmas com a chamada proteção contra cópia, que impede que você escute as músicas em outros dispositivos, como num MP3 player portátil ou outro computador, permitindo apenas escutar a música no dispositivo onde a compra foi feita, e/ou limita o número de cópias para apenas alguns dispositivos, e/ou força você a escutar a música apenas em determinados players de áudio, todos eles sendo softwares proprietários e de código-fonte fechado, muitas vezes tendo versão apenas para Windows, o que impossibilita escutar a música em players em software livre ou em distribuições GNU/Linux.

Como se isso não bastasse, muitas lojas on-line de músicas vendem as mesmas em formatos proprietários, como o WMA e o AAC, pois os mesmos suportam proteção contra cópia, ao contrário do MP3 ou do OGG. Por esses formatos serem fechados, sem documentação e/ou protegidos por patentes, apenas alguns players nos quais o fabricante possui acordo com o detentor dos direitos intelectuais sobre o formato de áudio possuem suporte aos mesmos. Outros podem até ter suporte, mas fazendo a implementação por meio de engenharia reversa e tentando não violar nenhuma patente, o que faz com que a implementação alternativa não seja tão boa quanto a original (apesar disso, há implementações alternativas que acabam se saindo melhores que as implementações oficiais).

Citei os que compram CDs e os convertem para MP3 (ou para outros formatos). Com o fim dos CDs, isto não irá mais poder ser feito e o usuário será forçado a usar o formato de áudio da loja de aplicativos. E provavelmente não vai poder converter para outro formato, já que haverá a proteção contra cópia. E como provavelmente algumas gravadoras terão seus lançamentos condicionados a apenas uma loja de músicas on-line devido a acordos de exclusividade, o usuário não irá poder escolher uma loja concorrente a fim de comprar a música de sua banda favorita.

Até os que baixam as músicas por “vias não-oficiais” sairão perdendo, já que esses “lançamentos não-oficiais” são originários de cópias de CDs, que não possuem proteção contra cópia.

Mas quem sairá perdendo mesmo serão os fãs do CD, que gostam de manusear a mídia física e olhar o encarte do CD, que gostam de olhar na caixinha a lista de músicas do CD e que são “ouvintes de música à moda antiga”. Pode parecer idiotice para alguns, sobretudo para os que preferem baixar as músicas pela Internet, mas para quem gosta do bom e velho CD, não há nada melhor do que o mesmo, ainda que o usuário por ventura também o copie para o PC. Eu mesmo sou um fã dos CDs, ainda que eu os copie (mas não os redistribua em cópias digitais) para meu notebook.

A música digital não tem tanta graça quanto um CD. Não tem nem encarte o bagulho. E nem dá para ostentar a coleção na parede utilizando suportes afixados na mesma ou outro lugar onde a coleção possa ficar armazenada. E não me venham dizer que a música digital pode ser gravada em CD virgem, pois a graça não é a mesma, tem tanta graça quanto um CD pirata sem encarte e de baixa durabilidade.

Se o CD fosse uma mídia física de baixa durabilidade (como as fitas cassete) ou de manuseio difícil (como os discos de vinil, que também possuem sua legião de fãs e que existe até hoje, principalmente em edições de colecionador), ainda poderia ser um motivo para os CDs terem sua fabricação descontinuada, mas esse não é o caso.

Espero que essa notícia não se confirme e que, no futuro, eu ainda possa comprar CDs das minhas bandas e cantores favoritos. Se a notícia se confirmar, será uma grande perda para os amantes da música.

Mais sobre o Robowebert Player

Posted in Atividades profissionais, Lazer, Música on 12/07/2010 by Allan Taborda

Nesses meses nos quais fiquei sem postar no blog, eu não tive vontade e inspiração para escrever algo interessante aqui, então eu acabei não postando nada nesse tempo. Cheguei a iniciar um post acerca dos meus gostos musicais, mas não acabei concluindo-o, apesar dele já estar bem extenso.

Há um ano atrás, escrevi um post sobre o tocador de áudio em Java que eu estava desenvolvendo em meu tempo livre, o Robowebert Player. Eu ainda desenvolvo o player no meu tempo livre, e ele evoluiu bastante desde aquele post até agora, ainda mais que ele é o meu player principal para ouvir música.

Como eu havia adiantado no último post, ele já possui suporte ao preenchimento automático da playlist. Este é, na minha opinião, o recurso mais importante implementado até aqui, de grande importância nas vezes que eu escuto música, pois gosto de escutar músicas variadas, mas não gosto de ter que ficar populando a playlist com músicas manualmente ou com playlists pré-definidas. Este preenchimento automático consiste em sortear uma música contida em uma das pastas previamente cadastradas em um arquivo de configuração (que é editado manualmente, mas posteriormente eu irei implementar o suporte ao acesso ao banco de dados e então a lista de pastas passará a estar no banco). A cada vez que uma música termina, esta é removida da playlist e, caso a playlist tenha menos do que um determinado número de músicas (definido nas configurações do player), o randomizador (como é chamado o sistema que sorteia as músicas) sorteia uma ou mais músicas, até a playlist atingir o número estipulado de músicas. Na maioria das vezes, ao acabar uma música, esta música sai e outra é adicionada ao final da playlist.

Também adiantei no último post que o player passou a permitir configurações personalizadas. Algumas dessas configurações podem ser alteradas pela própria interface do player, clicando no checkbox correspondente, por exemplo. Outras só podem, pelo menos até o momento, serem alteradas editando manualmente o arquivo de configuração. Para gerenciar essas configurações, de início eu usei a classe Properties, do pacote java.util, mas depois fiz a minha própria implementação da classe que guarda as propriedades, com recursos extras, como o de salvar as propriedades no disco assim que uma propriedade é alterada e métodos próprios para salvar e recuperar valores numéricos e booleanos, além de manter as propriedades em ordem alfabética e usar a codifcação UTF-8 ao salvar o arquivo. Essa classe que gerencia as propriedades poderá ser usada em outros programas que por ventura eu possa desenvolver.

Por falar nas configurações, recentemente eu passei a separar as configurações referentes ao funcionamento do player das configurações referentes à interface gráfica, em arquivos diferentes.

Na interface, os botões, com exceção dos que servem para subir e descer uma música na playlist, foram todos para a parte de baixo da tela, num total de dez botões. O botão de tocar agora também é o de pausar e continuar e o botão de adicionar também adiciona playlists salvas, além das músicas. Há um botão também para ativar e desativar o randomizador de músicas. O analizador de espectro ganhou mais espaço com a saída dos botões da parte superior esquerda da tela. Além disso, o tamanho da tela foi ajustado para ficar do tamanho adequado para monitores maiores (se bem que estou pensando em alterar isso novamente, fazendo o tamanho da tela se adequar melhor ao tamanho do monitor) e a tabela que mostra a playlist na memória foi ligeiramente modificada, tendo sua última coluna diminuído de tamanho e centralizada.

Foram feitas modificações no suporte aos metadados das músicas (informações de artista, nome da música, álbum, ano, etc). Agora foi adicionada a biblioteca JAudioTagger, que é usada na leitura dos metadados dos arquivos de áudio no formato FLAC, que antes não havia suporte à leitura dos metadados. Na verdade, o JAudioTagger é usado para ler os metadados de qualquer arquivo de áudio, com exceção dos áudios em MP3, OGG e Monkey’s Audio (os dois primeiros porque o código antigo, baseado em um pedaço do JLGui, que é outro player de áudioem Java (ver o post publicado há um ano atrás para mais detalhes), possui uma performance melhor na leitura das informações, e o último pelo fato do JAudioTagger não possuir até o momento o suporte a este formato de áudio).

Houve também modificações internas no player, como a inclusão de um pool de threads (usado em todo o player sempre que uma thread é criada, com exceção do motor de execução de áudio, que gerencia a thread princial manualmente), a criação de uma classe com métodos estáticos contendo as rotinas mais usadas e de uma interface contendo valores constantes (e as classes que vão usar esses valores implementam a interface), além de outras alterações internas no código.

Outras coisas que foram implementadas: o suporte ao formato de playlist conhecido como SMIL, usado no Windows Media Player, a geração de logs com os erros ocorridos internamente, a possibilidade do “Look and Feel” do player ser alterado (só há duas opções, por enquanto), dois novos painéis modais para a escolha das músicas manualmente (que podem ser escolhidos pelas configurações do player), suporte ao salvamento do estado do player (ele pode ser fechado e reaberto posteriormente, sem que o conteúdo da playlist e o estado interno do randomizador sejam perdidos), o início da implementação de uma interface em modo texto para o tocador de áudio, uso do KJDSS 1.3 (última versão da biblioteca do analisador de espectro até o momento, com a possibilidade de usar o analizador de espectro antigo aterando uma configuração), modificações nessa biblioteca, dentre outras coisas implementadas.

Ainda faltam muitos recursos dos que eu gostaria de adicionar a este player, como cronômetro, a possibilidade de se voltar ou avançar para um ponto qualquer no meio da música e a alteração dos metadados das músicas. Pretendo também traduzir a interface do player para outros idiomas, usando uma biblioteca de gerenciamento de traduções também escrita por mim e que ainda não está pronta.

Estou pensando em, ainda esse ano, disponibilizar o código do player no Sourceforge.net, ainda não o fiz por falta de tempo, ainda mais que, para isso, terei que elaborar um texto em inglês apresentando o software. Mas, para aqueles que pedirem, eu posso estar enviando o código por e-mail.

Por hoje é só, até a próxima vez.

Fim de ano chegando…

Posted in Idiotices, Lazer, Música on 14/12/2009 by Allan Taborda

Ultimamente, não tenho tido muito tempo para escrever novos posts (e nem arranjar assunto para novos posts). Na verdade, até há tempo, mas venho fazendo outras coisas no meu tempo livre (principalmente por eu não ter Internet em São Paulo), como ler uns livros de bolso.

Recentemente, li uns de velho oeste e um do Perry Rhodan. (o número 4 de uma série de mais de 600 livros, mas é o único que eu tenho, me pareceu uma parte de uma história maior) O último que eu li é basicamente uma história que foi feita mais para dar a entender que os índios apaches são muito maus, matando mulheres, crianças e outros só para pegar a comida e pelo prazer de matar, foi um dos piores que eu já li até hoje. O personagem principal da história, um tal de Sablito, dá o nome ao livreco. Resumo da história: os índios estavam andando no deserto e alguns são mortos pelos mexicanos (e a história também dá a entender que os mexicanos também não valem nada), daí eles vingam a morte dos companheiros deles invadindo uma casa, comendo toda a comida e matando a mulher e as crianças, inclusive cortando a cabeça da mulher e jogando na frente dos filhos (e estes foram despidos e escalpelados). Daí, o Sablito, ao saber que os apaches acabaram com a família dele pela segunda vez (os coisos já haviam matado toda a família dele quando ele era criança), foi lá e matou os apaches. Fim.

Como eu adiantei no primeiro parágrafo do post, agora eu estou morando em São Paulo. Quer dizer, eu estou ficando em São Paulo de segunda a sexta-feira, num quarto alugado perto do serviço, e volto no fim de semana para Praia Grande a fim de ligar este computador que uso neste momento para escrever este post e fazer outras coisas, como assistir TV.

Ficando em São Paulo, eu estou tendo custos menores e estou tendo mais tempo para descansar e fazer outras coisas do que na época que eu viajava todo o dia de ônibus fretado, onde eu acordava 5 da madrugada e chegava às 21 horas, aí eu comia o lanche e ia dormir.

O desenvolvimento do meu player de áudio (que já foi apresentado aqui neste blog) está devagar, quase parando, mas eu já consegui implementar algumas coisas novas, como a nova interface em modo texto (ou parte dela), um mecanismo de sorteio aleatório de músicas (comecei a implementar hoje uma primeira parte, quando der, eu irei integrar ao resto do sistema e testar) e uma nova disposição dos botões na tela.

No caminho do restaurante que eu vou quando chega a hora do almoço do serviço, há uma farmácia onde tem uma balança e que não precisa botar moeda para saber o peso, então eu estou aproveitando para me pesar todos os dias. Estou percebendo que eu estou emagrecendo. Antes, eu estava com 83 kg, hoje eu estou com 79,5 kg aproximadamente. Creio que eu esteja emagrecendo devido a eu dormir mais ultimamente (dormir ajuda a queimar calorias) e pelo fato de não estar exagerando tanto na hora de comer, já que a comida é pesada na balança e, quanto mais comida no prato, maior é a facada no meu bolso. E também há o fato de eu estar comendo bastante vegetais e frutas, como o abacaxi e a manga (essas são as únicas frutas disponíveis no restaurante onde vou atualmente). Espero que eu emagreça mais nos próximos dias, pois eu ainda estou bastante gordo. Só para lembrar, eu pesava 63 kg em 2005.

No final de 2008, mais precisamente no dia 23 de Dezembro daquele ano, eu abri um tópico na PCDM (A Pior Comunidade do Mundo, uma comunidade bastante idiota do Orkut na qual eu participo) com o título “Previsão para 2009!” e contendo uma única frase: “Michael Jackson morrerá!” e, após o óbito do rei do pop, hoje em dia o pessoal me pergunta no Orkut os números da Mega Sena, que dia outras pessoas vão morrer e até falam que fui eu quem matou o Michael Jackson. Fui parar até no site Pérolas do Orkut (ainda que com a foto embaçada, não sei por quê).

O post em questão, na PCDM, é este aqui: http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs?cmm=50850&tid=5282741978028993760

O povo me pergunta como eu acertei a previsão da morte do Michael Jackson. Ao contrário do que alguns pensam, eu não tenho nenhum poder de adivinhação. O que aconteceu foi que eu deduzi que o Michael Jackson ia morrer. Desde aquela época, em 2008, ele já vinha apresentando várias doenças e estando um tanto quanto debilitado. Inclusive, algumas notícias da Internet (e fora dela) noticiavam o estado de saúde debilitado do rei do pop. Então, eu supus que ele não passaria deste ano e foi o que aconteceu. Ah, e se eu fosse mesmo vidente, eu teria previsto também as mortes do Luiz Carlos Alborghetti, do MC Pelé, da Mara Manzan e da Leila Lopes (haja gente indo para o andar de cima nessa época do ano).

Perto do Natal, lá para o dia 22 (ou 24 ou outra data próxima disso, ainda não se sabe), a empresa irá parar devido às festas de fim de ano, então eu terei meio que umas mini-férias. Então, eu crio que este não será o último post do ano neste blog, já que com certeza, haverá tempo para mais um post.

Para encerrar, irei postar um vídeo natalino bem velho, de 1987, onde aparece a Kim Wilde, uma cantora daquela época (e que canta até hoje) na qual venho escutado suas músicas nos dias atuais. Aparecem ela e o comediante Mel Smith. Abaixo, o vídeo:

Por hoje é só, até o próximo post, ainda esse ano. E agora, eu vou dormir, que eu estou morrendo de sono.

Robowebert Player, tocador de áudio em Java

Posted in Atividades profissionais, Lazer, Música on 03/07/2009 by Allan Taborda

Tenho desenvolvido nesses últimos meses (desde Fevereiro, para ser mais exato) um player de áudio escrito em Java no qual eu batizei de Robowebert Player. Ele reproduz áudio nos formatos MP3, OGG, Speex, FLAC e Monkey’s Audio, além dos formatos padrão do Java (AIFF, WAV e alguns outros). Suporta a leitura e salvamento de quatro formatos de playlists: M3U, PLS, XSPF e um formato próprio que estou desenvolvendo, chamado de RWPF. Além disso, possui um analisador de espectro, que é aquele monte de barrinhas que ficam subindo e descendo enquanto a música toca, além de controle de volume e de balanço, repetição de músicas, visualização dos metadados das músicas e uma barra de progresso meio capenga.

Tudo começou quando eu pesquisei pela Internet como fazer para tocar sons com Java. Encontrei um pequeno tutorial de como tocar arquivos MP3 usando a biblioteca JLayer, disponibilizada no site JavaZOOM.net e desenvolvi um minúsculo player que tocava apenas MP3 e que em sua interface possuía apenas três botões, um para selecionar a música, um para tocar a música e o último para parar de tocar a música. O player e mais a tela gráfica tinham cerca de umas cem linhas de código (ou nem isso). Com certeza, deve ser o menor player de MP3 da história.

Aí eu tive a ideia de desenvolver um player maior, que tocasse outros formatos de áudio além do MP3. Pensei em criar um subsistema para cada formato que o player fosse suportar. Entretanto, percebi o quanto isso iria ser difícil, pois a API da biblioteca JOrbis (biblioteca de suporte ao formato OGG) é completamente diferente da API do JLayer, além de mais complexa e de mais baixo nível.

Então, acessando o site do JavaZOOM acima citado, vi que os próprios desenvolvedores do JLayer desenvolveram um player em Java chamado JLGui, que suportava MP3, OGG e outros formatos de áudio. Era basicamente um clone do WinAmp e suportava os skins feitos para este. Resolvi testá-lo e não gostei muito de sua confusa interface, que além de confusa, a metade desta insistia em ficar na frente de todas as outras janelas. Para complicar, o player em si tinha uns bugs idiotas.

O JLGui é licenciado sob a LGPL, uma licença livre que me permite modificar o software de acordo com minhas necessidades. Entretanto, o código-fonte desse player é extremamente confuso, macarrônico e de extrema dificuldade de manutenção, além de ter sua camada de apresentação (o código responsável pela tela gráfica) colada na camada de negócios (o código responsável pela regra de negócios). Ou pior: todas as partes do player são coladas em várias outras partes.

Só para se ter uma ideia, se eu quisesse adicionar o suporte ao formato de playlist XSPF a este player, eu teria que fazer toda uma reengenharia no programa inteiro, praticamente.

A única parte que não era colada a nenhuma outra era o motor de execução de áudio, que foi concebido para ser aproveitado em outros softwares que desejassem tocar áudio com uma API de alto nível. Tal motor de execução era mantido em uma biblioteca separada chamada BasicPlayer.

O BasicPlayer utiliza uma API comum para todos os formatos de áudio baseada na API Java Sound, que usa Service Providers (bibliotecas especiais) que proveem o suporte aos formatos de áudio sem alterar o código-fonte que reproduz a música. Nas minhas pesquisas iniciais, eu já havia visto algo sobre a API Java Sound, entretanto, vi que ela era bastante confusa e de baixo nível. Já o BasicPlayer era de alto nível.

O que resolvi fazer? Criar um player que utilizasse o BasicPlayer como motor de execução de áudio. Aproveitei a interface simplória do minúsculo player que eu havia feito e a adaptei no BasicPlayer. A partir daí, fui implementando outras funcionalidades básicas, como controle de volume e de balanço e o botão de pausar e continuar a reprodução do áudio.

Aí o player foi evoluindo: passou a trabalhar com uma playlist na memória e a salvar e carregar um formato próprio de playlists baseado em XML, ganhou também botões de voltar à música anterior, voltar ao começo da música atual e ir para a próxima música.

Resolvi implementar o suporte à visualização dos metadados dos arquivos de áudio. O primeiro lugar onde pesquisei como fazer isso foi no macarrônico código do JLGui. Essa parte do código do JLGui não estava tão macarrônica e ligada às demais partes do player como as outras (só um pouco), então eu resolvi pegar este código e adaptá-lo ao meu próprio player, fazendo alterações diversas a fim de retirar completamente a dependência das outras partes do JLGui.

Já com o suporte aos metadados das músicas e mesmo com a interface estando muito tosca, disponibilizei o player (ainda sem nome naquela época) para alguns membros da comunidade Linux versus Windows do Orkut para ver o que eles achavam. Eles emitiram suas opiniões e o que eles gostariam de ver no player.

A partir daí, continuei a adicionar outros recursos ao player e a mudar um pouco sua interface (que ainda está tosca, mas menos do que antes). O último recurso adicionado até o momento foi o analizador de espectro, provido pela biblioteca KJ DSS.

O código-fonte do meu player, ao contrário do código do JLGui, é bastante claro e simples. O suporte à playlist na memória, por exemplo, é implementado por uma classe que gerencia um simples ArrayList contendo os objetos File, que provém acesso aos arquivos de áudio no HD. Já o JLGui implementa a mesma coisa com algumas classes, uma delas responsável por cada música na playlist (e que contém parte do código para manipular playlists no formato M3U – e manipular mal), outra cheia de métodos e mais uma interface gigantesca, além de mais algum código macarrônico colado na interface gráfica e em mais não sei onde.

Pelo fato da camada de apresentação ser completamente desacoplada da camada de negócios, será possível escrever telas gráficas alternativas ao visual atual do meu player. Inclusive, estou planejando para o futuro uma interface totalmente diferente e inovadora além da que já existe, além de uma interface alternativa usando a SwingWT, implementação alternativa (e mais leve) da API Swing baseada na biblioteca SWT.

No link abaixo, uma screenshot de como está o visual do meu player atualmente:

http://img30.imageshack.us/img30/4513/rwplayer.png

Ainda falta a grande maioria dos recursos que desejo implementar no meu player, como biblioteca de mídia, playlists dinâmicas, execução aleatória de músicas contidas numa playlist, edição de metadados das músicas, internacionalização e uma penca de outras coisas. O player vai ficar o bicho.

Entretanto, irei disponibilizar uma segunda versão pública com apenas alguns desses recursos, quando eu achar que ele está bom o suficiente para ser usado pelo público geral, ainda que incompleto. Irei disponibilizá-lo no SourceForge.net, onde já mantenho hospedado outro software que desenvolvo, o CapeTrivia.

Meu Player será licenciado sob a GPL 3, ou melhor, o código que escrevi está sob esta licença. O subsistema de leitura de metadados está sob a LGPL 2.0 pois não posso alterar a licença dessa parte, já que não fui eu que escrevi. E as demais bibliotecas estão nas suas respectivas licenças, todas compatíveis com a GPL 3.

Por falar em licenças, eu acabei tendo umas dúvidas com relação à compatibilidade destas, ainda mais por causa da biblioteca que provê o suporte ao formato de playlist XSPF (JSpiff) estar na licença Apache 2.0 e haver código LGPL 2.0 no player. Resolvi mandar um e-mail para o Richard Stallman, presidente da Free Software Foundation (ou melhor, dois e-mails, o outro foi depois da resposta que ele me mandou). A troca de e-mails com o Stallman merece um post à parte (no próximo deste blog, quem sabe), mas resumidamente, ele respondeu que as licenças são todas compatíveis entre si.

Escolhi o nome Robowebert Player a fim de homenagear um antigo personagem das minhas histórias infantis de quando eu era criança e que eu mesmo inventei, o Robowebert. Este era um robô gigantesco ao estilo do Megazord dos Power Rangers que possuía vários componentes integrados e recursos diversos e que tinha a finalidade de lutar contra inimigos gigantescos que ameaçavam a cidade de Pret-a. O Robowebert era controlado pela Darker Webert, uma mulher que combatia o crime naquela cidade fictícia e que vivia cheia da grana. Ela também merece um post à parte, pois teve uma importância histórica na minha infância.

Não há uma previsão de quando a próxima versão pública (e desta vez disponível ao público geral e não só a alguns membros da Linux versus Windows) será disponibilizada, mas espero ver o Robowebert Player na próxima versão estável do Debian, codinome Squeeze, a ser lançada provavelmente no ano que vem.

Atualização: escrevi um novo post sobre o Robowebert Player, que pode ser visto em: https://irmaodamara.wordpress.com/2010/07/12/mais-sobre-o-robowebert-player/

Isso é que é música!

Posted in Música on 25/12/2008 by Allan Taborda

E não esses funks cariocas de meia tigela que só servem para fazer as mulheres balançarem a bunda!

A música tocada no video acoma se chama Toss The Feathers e é tocada pela banda irlandesa The Corrs.

Sobre a reativação do meu blog dos sonhos, o blog já foi criado, mas nada até o momento foi postado. Quando eu fizer meu primeiro post naquele blog, eu avisarei aqui sobre a inauguração oficial do novo blog dos Sonhos do Allan.

E Feliz Natal a todos os que estão lendo este post! Se bem que, provavelmente, quando você estiver lendo isso, o Natal já deve ter passado…

Atualização em 08/06/2012: Alterei link para o vídeo por um idêntico postado em 2009 porque o original foi deletado pelo usuário. E vou deixando um vídeo alternativo abaixo, com a mesma música, mas em outra apresentação ao vivo, para caso o vídeo acima também seja deletado.