Tutorial de atualização do Debian 6.0 para a versão 7.0

Posted in Tutoriais on 10/06/2013 by Allan Taborda

Em março de 2011, fiz um post com um tutorial de atualização do Debian 5.0 (codinome Lenny) para a versão 6.0 (codinome Squeeze). Neste post, sintetizarei o processo de atualização do Debian 6.0 para a versão 7.0 (codinome Wheezy), em uma versão simplificada do tutorial original, que é mais extenso e tem outros detalhes. Baseei-me nas instruções contidas no próprio site do Debian, que podem ser acessadas em http://www.debian.org/releases/stable/amd64/release-notes/ seções 4 e 5. Este tutorial foi testado nas versões 32 (i386) e 64 bits (amd64) do Debian GNU/Linux. Não foi testado no Debian GNU/kFreeBSD, mas creio que deva funcionar também para o mesmo, fazendo apenas uma adaptação com relação ao nome do pacote do kernel (onde está escrito linux-image, substitui-se por kfreebsd-image). Todos os comandos devem ser executados como root e recomenda-se, assim como na atualização da versão 5.0 para a 6.0, não usar o aptitude no lugar do apt-get para rodar os comandos (isso consta no tutorial do site do Debian).

1) Tecle Ctrl+Alt+F1 para ir para o console em modo texto e logue-se como root.

2) Instale todas as atualizações lançadas para a versão 6.0 pelo menos até a versão 6.0.7:

apt-get update
apt-get upgrade

3) (Opcional) Caso possua um conjunto de DVDs do Debian (dez, no total), insira um dos DVDs no leitor de DVDs e use o comando abaixo para adicioná-lo à lista de repositórios:

apt-cdrom add

Repita o processo para todos os DVDs.

4) Edite o arquivo /etc/apt/sources.list com um editor de texto, alterando todas as referências a “squeeze” para “wheezy”. Eu usei o nano como editor de texto.

5) Mate o modo gráfico (não sei sei isso é realmente necessário, mas o seguro morreu de velho):

killall gdm3

Se estiver usando outro gerenciador de login ao invés do GDM, altere a linha acima para matar o gerenciador que estiver usando (por exemplo, o KDM).

6) Atualize os pacotes para os do Wheezy (isto não atualizará todos os pacotes, mas é assim mesmo):

apt-get update
apt-get upgrade

7) Instale o kernel do Debian Wheezy:

apt-get install linux-image-3.2.0-4-amd64

A linha acima é específica para a versão 64 bits do Debian. Para a versão 32 bits, a linha seria:

apt-get install linux-image-3.2.0-4-686-pae

Caso esteja em dúvida e queira verificar o nome correto do pacote a ser instalado, use o comando:

apt-cache search linux-image

E instale a versão com nome semelhante à versão que já está instalada no sistema, que irá aparecer no comando acima também. Observação: na versão 32 bits, não há pacote de kernel 686 sem suporte PAE. Caso faça muita questão de não ter um kernel com suporte a PAE, sugiro instalar a versão 486 no lugar da 686.

8) (Opcional) Caso possua instalado o pacote ia32-libs ou deseje futuramente instalar pacotes 32 bits sendo a versão instalada do Debian a de 64 bits, execute os comandos abaixo:

apt-get install dpkg
dpkg –add-architecture i386
apt-get update

O primeiro comando instala a nova versão do DPKG, que possui suporte a multi-arquitetura. Substitua nos comandos acima i386 por amd64 se desejar instalar pacotes 64 bits sendo a versão instalada do Debian a de 32 bits (o kernel em execução deve ser a versão 64 bits quando for executar programas 64 bits). Caso não execute esse passo, o DPKG será atualizado normalmente junto com outros pacotes.

9) Rode o comando abaixo, que irá, de fato, atualizar o Debian para a versão 7.0:

apt-get dist-upgrade

10) Aproveite para remover pacotes inúteis, que eram dependências de outros pacotes mas que agora não são mais necessários, e, novamente, verifique (antes e depois de remover os pacotes inúteis) se não há mais nenhum pacote a ser atualizado:

apt-get upgrade
apt-get autoremove
apt-get upgrade

11) Reinicie o sistema, com o comando “reboot”.

12) Repita o passo 1 e rode o comando abaixo para remover o antigo kernel da versão 6.0 do Debian:

apt-get remove linux-image-2.6.32-5-amd64

A linha acima é específica para a versão 64 bits do Debian. Para verificar o nome correto do pacote a ser removido, use o comando:

apt-cache search linux-image-2.6

E isso é tudo. Caso deseje consultar um tutorial mais detalhado acerca da atualização do Debian para a versão 7.0, consulte o manual oficial no link do início deste post, que é bem maior e tem outros detalhes.

Anúncios

Como a mediunidade poderia ser provada cientificamente

Posted in Temas polêmicos on 27/05/2013 by Allan Taborda

Há quem acredite e há quem não acredite em vida após a morte, mediunidade, espiritualidade, tratamentos médicos espirituais e uma série de temas correlatos. Quem acredita em espiritualidade, costuma defender sua existência, inclusive citando ocorridos envolvendo comunicações entre mortos e vivos, sendo esses últimos denominados médiuns. Por outro lado, quem não acredita argumenta de diversas formas, como apontando falhas nas doutrinas espiritualistas (tanto na parte dita “científica” quanto na parte ideológica), argumentando que não há indícios e/ou provas científicas da vida após a morte, apontando explicações científicas para fenômenos mediúnicos, e por aí vai.

Este post não tem como objetivo tomar partido para um lado ou para o outro lado da discussão, mas apontar uma forma de acabar de uma vez por todas com a dúvida de se é verdade ou não a possibilidade de contatos com espíritos por meio da mediunidade. Essa forma se daria através de um teste científico e isento de interferências externas que poderiam prejudicar sua credibilidade, não restando dúvidas de que existe mesmo comunicação entre mortos e mediunidade caso o teste seja bem-sucedido, e derrubando tais crenças caso contrário.

Segue o teste: dois médiuns, de preferência que não se conheçam, ficam cada um em uma sala, e cada uma dessas salas devem estar a pelo menos 200 metros de distância uma da outra, de modo que nenhum som proveniente de uma sala ou de algum lugar próximo a essa sala pudesse ser ouvido a partir das proximidades da outra. Para garantir que nenhum som se propague entre as duas salas, ambas devem ter isolamento acústico.

Em cada sala, além do respectivo médium, deve haver mais seis pessoas, sendo três espiritualistas, que acreditam em comunicação com os mortos, espiritualidade e afins, mas que não necessariamente são médiuns, e três céticos, que não acreditam nessas coisas. Essas seis pessoas devem auditar o experimento em cada uma das salas e conferir o resultado do mesmo, com testemunhas de ambos os lados em um número razoável de testemunhas.

Essas salas devem ficar trancadas pelo lado de fora, com um espiritualista e um cético na porta de cada sala, portando as respectivas chaves e garantindo que nenhuma interferência externa próxima às salas ocorra. Observando cada uma das portas de cada sala, deve haver pelo menos uma câmera, e essas câmeras transmitem imagens para uma terceira sala onde há mais três espiritualistas e três céticos, coordenando o teste e auditando o mesmo.

Vamos denominar as salas como sendo sala A, sala B (onde ficam os médiuns) e sala C (onde ficam os coordenadores do teste). O teste consiste em uma mensagem partindo da sala A sendo transmitida por meio de mediunidade para a sala B.

O teste começa com o pessoal das salas A e B sendo trancado nas mesmas logo de cara, ficando incomunicáveis lá dentro (exceto para avisar o término de sua parte no teste às duplas que ficam nas portas das respectivas salas). Antes de entrarem em suas salas, todos são revistados a fim de não entrarem com nenhum equipamento eletrônico que possa prejudicar a confiabilidade do teste, como rádio, celular, tablet, etc.

Em seguida, o pessoal da sala C se reúne a fim de confeccionar pelo menos dez textos de uma página cada um, a partir de trechos de textos diferentes extraídos de outros lugares, como a Internet (de onde fica mais fácil e ágil de copiar e colar). Cada texto deve conter pelo menos três trechos de diferentes textos aleatórios, que podem ser quaisquer textos, excetuando textos que podem causar desconforto aos médiuns, como contos eróticos, textos com palavras de baixo calão e/ou histórias macabras.

Após a confecção dos textos, estes são impressos em apenas uma via e inseridos cada um em um envelope lacrado e idêntico aos demais. Então, os envelopes são embaralhados e um deles é sorteado, sendo transportado por um espiritualista e um cético, cada um segurando uma ponta do envelope e mantendo-o a frente de seu corpo e de maneira visível a fim de garantir que de maneira alguma ele seja substituído no trajeto, até a dupla que fica na porta da sala A. Os demais envelopes ficam na sala C para conferência, só sendo abertos ao final do teste.

Após o retorno da dupla que transportou o envelope à sala C, é dado o sinal por meio eletrônico (rádio, ponto eletrônico ou outro) para os porteiros da sala A abrirem a porta da mesma e entregarem o envelope, com cada porteiro segurando uma ponta do envelope e sem falar nada a ninguém que está lá dentro. Após a entrega do envelope, a porta da sala A é trancada.

Assim que o médium da sala A começar a fazer a transmissão do texto por meio de espíritos (caso realmente existam e possam se comunicar com os médiuns), alguém da mesma sala deve tocar um sino ou outro dispositivo de comunicação semelhante afixado na porta a fim de informar aos porteiros que a transmissão começou. Em seguida, os porteiros informam ao pessoal da sala C que a transmissão do texto começou, e então os porteiros da sala B são orientados por meio eletrônico (rádio, ponto eletrônico ou outro) pelo pessoal da sala C a avisarem através de um sino ou outro dispositivo de comunicação semelhante afixado na porta que a mensagem já pode começar a ser psicografada pelo médium da sala B.

Ao término da transmissão do texto pelo médium da sala A, alguém dessa sala deve informar por meio do sino que a transmissão do texto se encerrou. E ao término da psicografia do texto pelo médium da sala B, alguém dessa sala deve informar por meio do sino que a psicografia do texto se encerrou. Após ambos os sinais aos respectivos porteiros (e por consequência o informe dos mesmos ao pessoal da sala C), os porteiros da sala B são orientados pelo pessoal da sala C a recolherem o envelope lacrado com a mensagem psicografada e trazerem o mesmo até a sala C, cada um segurando uma ponta do envelope e mantendo-o a frente de seu corpo e de maneira visível a fim de garantir que de maneira alguma ele seja substituído no trajeto.

Por fim, na sala C, o texto é conferido para ver se é exatamente o texto que foi levado até a sala A. Os nove envelopes que não foram sorteados são usados para saber qual era o texto que foi transmitido, uma vez que ele não estará entre os nove. Alternativamente a isso, ou complementando isso, o texto original poderá ser trazido de volta à sala C pelos porteiros da sala A.

Caso o texto tenha sido transmitido com êxito entre os médiuns, terá enfim sido provado cientificamente que existe comunicação com espíritos (ou, pelo menos, algo sobrenatural que tenha transmitido o texto entre as salas A e B). Caso a transmissão tenha falhado, poderão ser feitas mais seis tentativas de transmissão, substituindo ou não o pessoal das salas A, B e C e/ou os médiuns. Para cada tentativa, os dez textos deverão ser diferentes e confeccionados para os respectivos testes, não podendo de forma alguma reaproveitar algum texto de um teste anterior. Caso a transmissão dos textos tenha falhado nas sete tentativas de realização do teste, ter-se-á provado que a comunicação entre espíritos e médiuns não existe.

Alternativamente, poderá haver mais de um médium em cada sala a fim de fazer a transmissão e psicografia da mensagem. Eu propus três espiritualistas e três céticos em cada sala porque creio que este seja um número razoável de auditores de ambos os lados da questão, menos que isso eu creio que a confiabilidade do teste poderia ficar prejudicada. Além disso, poderão ser feitas mais de sete tentativas de transmissão do texto a ser psicografado, mas o número mínimo deve ser sete para que não se reste dúvidas acerca da questão.

É recomendável que cada envolvido no teste assine um termo aceitando as condições de realização do mesmo. Também é recomendável que o teste seja tema de um documentário a fim de divulgá-lo, preferencialmente com esse documentário sendo exibido na TV aberta.

No caso da recusa generalizada dos espiritualistas em realizar esse teste alegando alguma desculpa, será um indício (mas não uma prova) de que comunicação com espíritos é apenas uma crença, entretanto, creio que os espiritualistas são os que deveriam ser os mais interessados em provar suas crenças a fim de serem levados a sério, ainda mais que muitos afirmam que a espiritualidade é uma ciência.

Caso alguém tenha alguma sugestão de como melhorar o teste ou apontar alguma falha no mesmo, ou ainda deixar qualquer tipo de comentário, deixem comentários na seção de comentários deste post.

Como eu descobri ter Síndrome de Asperger

Posted in História on 01/03/2013 by Allan Taborda

Eu sempre tive um comportamento, de um modo geral, diferente do das outras pessoas. Não só o comportamento, mas a maneira de eu pensar, de agir, de me expressar, de uma série de coisas.

Sempre tive dificuldade de me relacionar com os outros. Na época da escola, eu ficava isolado de outros colegas, pois não me era interessante interagir com os mesmos. Quando eu tentava interagir com os outros, era como se eu falasse uma língua e os outros falassem outra, ainda que eu e os outros falássemos português. Isto também se repetiu na época da faculdade, embora nessa época eu já tentasse a todo o custo mudar isso, com poucos avanços relacionados a isso.

Meu problema de relacionamento não se dava apenas no ambiente presencial, mas também no virtual. Eu percebia que as pessoas me viam de uma forma diferente no Orkut, quando eu participava das comunidades, principalmente em comunidades onde havia bastante conversa. Além disso, eu acabava postando coisas que incomodavam as outras pessoas, ou coisas sem noção (e depois eu percebia que era sem noção). Cheguei a chorar uma vez quando vi que não conseguia me relacionar nem pela Internet, numa comunidade onde o povo conversava sobre assuntos variados. Mais recentemente, tentando arranjar uma namorada pela Internet, comecei a conversar com uma moça muito bonita e vi que ela estava ficando interessada, mas eu só fazia perguntas e eu não sabia o que escrever, até que eu escrevi uma pergunta que parece que ela não gostou e ela me respondeu que eu fazia perguntas estranhas, aí ela parou de se corresponder comigo e eu fiquei muito frustrado.

Nunca liguei para o que os outros pensavam ou curtiam. Sempre quis ter minhas próprias opiniões com relação a tudo, ainda que tais opiniões fugissem do senso comum relacionado. Sempre tive meus gostos musicais independente da moda do momento. Não só os gostos musicais, mas qualquer tipo de gosto, como do que eu gostava de assistir na TV, do que eu gostava de fazer, do que eu gostava de brincar quando eu era criança (brincava principalmente com meu irmão, que era praticamente o único com quem eu me relacionava), do que eu gostava (e gosto) de fazer no computador…

Por muitas vezes, eu acabava não gostando de nada do que havia em uma determinada área, como do teor dos textos que eu tinha que copiar quando eu estava na escola, nas aulas de português, ou como o teor dos enredos de séries de TV que passavam na época (apesar de eu assistir um ou outro seriado), então eu acabava por criar meus próprios textos e meus próprios personagens cujas histórias que eles participavam tinham enredos criados por mim.

Desde que eu me conheço por gente, eu consumo ter manias estranhas, com a de mexer com os braços, as mãos e os dedos de forma repetitiva ou limpar a boca seguindo sempre com os mesmos passos, na mesma ordem. Quando eu era bebê, segundo a minha mãe (e há também uma foto minha da época onde se pode notar isso), eu ficava abanando as orelhas repetidamente. Hoje em dia, eu não tenho tanto dessas manias repetitivas, só de vez em quando, quando estou sozinho, eu acabo por mexer os dedos repetidamente, e por uma quantidade menor de tempo do que antigamente.

Eu sofri muito bullying quando eu era criança, na época em que eu cursava da primeira até a quarta série do ensino fundamental, principalmente na quarta série, quando adquiri um grave problema na fala que tenho até hoje, embora o problema tenha diminuído bastante, com o passar do tempo. Meus colegas da época viam que eu era mais quieto, que eu seguia mais as regras que me eram impostas, viam que eu era “diferente” e me faziam de alvo para seus ataques de bullying.

Era perceptível que eu tinha algo de diferente das demais pessoas da mesma idade que eu. Eu mesmo percebia isso já desde a época que comecei a frequentar a escola. Durante alguns anos, acho que de meados dos anos 90 até 2005, minha mãe me levava ao ambulatório de saúde mental de Praia Grande (posteriormente, passei a ir sozinho), onde eu passava por consultas de psicólogas e psiquiatras. Cheguei a passar por uma fonoaudióloga, mas não fez efeito algum na minha fala, na verdade, só teve efeitos adversos. As psicólogas me ajudaram um pouco na parte emocional, já os psiquiatras passavam alguns remédios, mas nenhum diagnóstico do que eu tinha era dado. Os remédios prescritos iam desde antidepressivos até remédios para síndrome do pânico. Um psiquiatra disse que eu tinha dificuldade de aprendizado (com certeza, eu nunca tive isso, muito pelo contrário), chegaram a me falar que eu tinha um “problema crônico”, falando de um modo meio que pejorativo. Eu sei que tinha alguma coisa, mas eu não sabia o que era, mas parecia ser um problema dificílimo de ser solucionado, visto que, mesmo com os tratamentos, eu continuava do jeito que eu sou.

Em 2005, quando ocorreu a última tentativa de eu me tratar com um psiquiatra, me foram receitados uns remédios que fizeram meu comportamento ficar estranho, eu fiquei mais espontâneo e menos tímido, mas também comecei a agir de forma estranha e fiz coisas que eu não costumo fazer em meu juízo perfeito. Na época, eu acreditei estar ficando louco. Depois de ter uma crise de ansiedade e de eu adquirir dificuldade para urinar, foi comunicado ao psiquiatra sobre os ocorridos e o mesmo suspendeu abruptamente o tratamento, causando efeitos ainda mais adversos sobre mim, como uma depressão profunda. Cheguei a não ter mais vontade de sair de casa e pensei que talvez não voltaria à faculdade. Felizmente, isto ocorreu durante o período de férias e, até as aulas voltarem, eu já tinha quase totalmente recuperado da depressão.

Após o tratamento psiquiátrico fracassado, me tratei com florais com uma terapeuta holística (havia também consultas presenciais semanalmente). Alguns problemas como a ansiedade foram resolvidos, a habilidade de me comunicar melhorou um pouco, mas alguns problemas permaneceram, como o fato de eu nunca iniciar uma conversa e de não saber interagir com as pessoas.

Eu sempre me cobrei para ser o máximo possível como as outras pessoas. Tentava, na medida do possível, ser como as demais pessoas, ainda que muita gente não percebesse e até achasse que eu tentava ser diferente, especial. Lembro-me de que, na época da quarta série do primário, a professora (ou a diretora, ou ambas, confesso que não lembro com exatidão) gritou comigo dizendo que eu era um menino normal ou algo do tipo.

Durante toda a minha vida, formulei muitas teorias que explicariam o porquê de eu ser daquele jeito. Dentre essas teorias, estavam a de que a minha mãe não soube me criar direito e me criou errado, a de que eu era a reencarnação de um cachorro, de um gato ou de outro animal e que a reencarnação atual seria a minha primeira como humano, a de que eu era um espírito inferior (durante anos, eu fui espírita, hoje eu não tenho religião e não sei se Deus existe ou não), dentre outras teorias daquelas.

Sempre achei que boa parte da explicação para o meu comportamento era pelo fato de eu ser tímido. Eu acreditava, por muitos anos, ser extremamente tímido, tão tímido que eu acabei ficando do jeito que eu sou, ainda que outros tímidos que eu via não fossem como eu. Até que um dia, vi uma reportagem do Globo Repórter que falava sobre a timidez e mostrou o que era a timidez. Cheguei à conclusão de que eu não era exatamente uma pessoa tímida, pois fazia coisas que os tímidos não faziam, como falar em público (já fiz isso um monte de vezes). Além disso, vi que os tímidos não se comportavam como eu me comporto.

Houve uma época que eu pesquisei na Internet sobre alguma coisa que eu poderia ter. Cheguei a suspeitar que eu fosse disléxico, uma vez que minha letra é horrível e às vezes eu não entendia algumas coisas, mas aí eu vi o que era dislexia e descartei esse diagnóstico. Cheguei a ler o artigo da Wikipédia sobre Síndrome de Asperger, mas na época, o artigo estava mal escrito e era demasiadamente curto, dizendo que era uma condição parecida com o autismo descoberta nos anos 80 que consistia na pessoa levar tudo ao pé da letra, ou algo assim. Naquela época, eu descartei ter isso.

Entretanto, há cerca de um mês e meio, li novamente o artigo da Wikipédia sobre a Síndrome de Asperger e, ao contrário da primeira vez, acabei me identificando com os sintomas e características descritas no artigo, não com todos os sintomas e características, mas com a maioria dos mesmos, muitos que só eu sabia, pois não havia contado a ninguém. A fim de saber mais sobre a síndrome, pesquisei outros sites, que reforçaram a minha identificação com este diagnóstico, ainda que não feito por um psiquiatra (se eu não tenho Síndrome de Asperger, eu teria o quê então, uma outra síndrome com os mesmos sintomas da de Asperger?) e então eu acabei me autodiagnosticando como tendo Síndrome de Asperger.

Estou “digerindo” até hoje essa descoberta e desde então eu tenho feito mais pesquisas sobre essa síndrome, bem como sobre o autismo, uma vez que Asperger é uma das síndromes do espectro autista. Entrei em um grupo do Facebook sobre a Síndrome de Asperger, o Grupo Asperger – Brasil, e estou relatando minhas experiências acerca dessa síndrome, bem como participando dos tópicos criados por outros participantes.

Com esse autodiagnóstico, acabei por tabela entendendo melhor o porquê de eu ter tanta consideração, tanto carinho pela Mara, uma ex-colega de sala de aula dos tempos do ensino médio, chegando a chamá-la de irmã (ainda mais pelo fato de eu não ter uma de verdade). Provavelmente vocês devem ter percebido que o endereço do blog é irmaodamara.wordpress.com, ele vem do meu e-mail, irmaodamara@yahoo.com.br, que foi criado em 2004, após o término do ensino médio e quando comecei a faculdade. O nome de usuário do e-mail é uma homenagem à Mara. Como eu escrevi, eu sempre tive dificuldades para me relacionar com as pessoas, e para piorar, eu nunca conseguia iniciar uma conversa e sempre ficava quieto num canto. A Mara foi a garota que se relacionou comigo, conversou comigo, fez trabalho de escola junto comigo, me convidou para ir na casa dela passar o dia, veio na minha casa (isso ocorreu depois do término do ensino médio)… Ela me fez me sentir como se eu fizesse parte do grupo. Ainda que ela tenha pisado na bola algumas vezes (todo mundo tem seus defeitos e comete erros), sou até hoje grato pelo que ela me proporcionou. Hoje o nosso contato é mais pela Internet, já que eu estou morando em São Paulo e ela permaneceu em Praia Grande, no litoral paulista.

Descobrir que eu tenho Síndrome de Asperger me fez descobrir que não há cura para o que eu tenho, por outro lado, me fez descobrir que minha condição é mais comum do que eu pensava (eu cheguei a pensar que eu era o único assim), vendo outras pessoas com as mesmas dificuldades que eu. Ainda que eu não seja uma pessoa completamente normal, descobrir que eu tenho Síndrome de Asperger me fez sentir mais normal e não mais um ET.

Meu desejo é que a Síndrome de Asperger seja mais divulgada e mais conhecida pela sociedade, tanto para as pessoas terem mais informações sobre essa condição, tanto para quem está na mesma situação que eu ou tenha um filho nessas condições possa eventualmente se autodiagnosticar ou procurar um diagnóstico de um psiquiatra especializado.

Este post termina aqui. Confesso que este post demorou alguns dias para ser escrito, era para ter sido postado no Carnaval, entretanto, acabei demorando um pouco para terminar de escrever, até porque lembrei de coisas que eu passei e que mexeram um pouco comigo. Até o próximo post!

(insira aqui um tipo de música que você detesta) é música boa!

Posted in Música, Temas polêmicos on 07/01/2013 by Allan Taborda

No primeiro post de 2013, irei falar sobre um assunto muito polêmico: gostos musicais. Nele, tentarei expor meus gostos musicais de uma maneira mais resumida possível. Além disso, provarei (ou tentarei provar) que, na verdade, toda música é boa independente de seu gênero, acreditem se quiser (e a explicação é bem simples).

Meus gostos musicais são muito variados, eu gosto de muitos gêneros musicais diferentes e, dentro de um gênero musical, há músicas que eu curta mais ou curta menos, ou não curta. Mas, para tentar resumir sem deixar nada de fora, acho mais fácil escrever que tipos de música eu não curto (e o restante é o que eu curto, com maior ou menos intensidade). Depois, eu irei escrever o que eu mais curto atualmente e o que eu mais curti há tempos atrás (na verdade, com o passar do tempo e quanto mais novas músicas são lançadas, as músicas que eu curto mais vão mudando, mas sem eu deixar de curtir as que eu curtia mais antes).

As músicas que eu não gosto se resumem a algumas categorias específicas. Observação: não tenho nada contra quem gosta de tais tipos de músicas e nem quem as canta, o meu não gostar é com as músicas em específico. São elas:

1) Músicas demasiadamente repetitivas, como por exemplo, alguns tipos de música eletrônica incluindo (mas não se resumindo a) o funk (o funk é uma música eletrônica, para quem não sabe), onde, tanto nas letras quanto nas batidas musicais, ocorrem exaustivas repetições, uma vez que tal gênero musical é de baixo orçamento e os compositores de funk aparentam não ter muita criatividade para compor o enredo e a melodia das músicas, nessa categoria, incluem-se também músicas com poucos acordes, como Legião Urbana;

2) Músicas com ritmo demasiadamente pesado e/ou com vocais muito gritados, como por exemplo, as tocadas bandas de rock como Metallica, Iron Maiden, Megadeath, bandas punk e similares;

3) Músicas cuja letra não é cantada, e sim falada durante a melodia, como por exemplo, quase a totalidade dos raps existentes, além de alguns funks (e as piores nessa categoria são as mais rápidas, onde o cantor vomita a letra);

4) Músicas cuja letra possui conteúdo reprovável a meu ver, como por exemplo, conteúdo machista, sexista, apologista ao consumo de álcool, maconha e/ou outras drogas, ou que só falem de sexo e/ou putaria;

5) Músicas que só falem de um tema específico, como por exemplo, músicas que só falem de legalização da maconha (tais músicas se encaixariam também na categoria do parágrafo acima), músicas gospel (só falam de religião) e outras;

6) Músicas onde o cantor ou cantora não possui vocação alguma para cantar, nessa categoria, incluem-se (mas não se limitam a) músicas cantadas por muitos cantores de funk, algumas bandas de forró e músicas semelhantes, algumas bandas de rock, etc. Na verdade, essa categoria independe de gênero musical, nela, há geralmente (mas não se limitando a) músicas do ritmo do momento que, pelo fato de ser um gênero de música que está fazendo muito sucesso, pipocam bandas e cantores sem vocação para a música que se aproveitam do sucesso do gênero musical e pegam carona no mesmo a fim de tentar ganhar dinheiro. Essa categoria é um pouco subjetiva, pois um determinado cantor ou cantora, na avaliação de alguns, não tem vocação para cantar, mas para mim ou outras pessoas, tem sim alguma vocação (o que ocorre é que alguns timbres de vozes não agradam a certas pessoas, como o da Joelma da banda Calypso, que, a meu ver, não se encaixa nessa categoria e em nenhuma outra aqui listada, mas há muitos que não curtem a voz dela e a maneira dela cantar);

7) Músicas demasiadamente melancólicas, como (mas não se limitando a) muitos tangos e fados (acredite, a música Everybody Hurts, do REM (e regravada pelo The Corrs), não chega nem perto de tais músicas em nível de melancolia e não se inclui nessa categoria, e muito menos é a música mais melancólica do mundo, como muitos dizem);

8) Músicas demasiadamente bregas, como as do Paulo Sérgio, Amado Batista e semelhantes, muitas delas dos anos 70 (mas há também de outras épocas, e até algumas atuais);

9) Músicas que, por algum motivo em específico, ainda que não se incluam nas categorias acima, eu não curta, são bem raras as músicas inclusas nessa última categoria, e eu não me lembro de nenhuma no momento.

Observação: nas vezes que me referi a funk nos parágrafos acima, me referi ao que atualmente é chamado de funk, que é um ritmo eletrônico brasileiro que se popularizou no início dos anos 2000, principalmente entre o público mais humilde, digamos assim. Na verdade, há várias denominações de funk além dessa, que serão abordadas em um post futuro.

Bom, espero que eu não tenha esquecido nenhuma categoria de música que eu não curta, mas creio que sejam só estas aí, se houver mais alguma, eu edito o post, mas acho que é só isso mesmo.

Então, seu Allan, músicas de Luan Santana, Gustavo Lima, Justin Bieber, Miley Cyrus, KLB e Michel Teló não se incluem em nenhuma das categorias acima, então você curte essas músicas?

Não é que eu curta, de ficar escutando, o que ocorre é que eu não “não curto”, se tiver tocando, não vai ter problema nenhum, digamos que eu curto, mas muito muito muito pouco. Na verdade, Michel Teló eu até curto.

Eu divido as músicas em três categorias principais: A, B e C. Na categoria C, encontram-se as músicas que eu não gosto, que se encaixam em pelo menos uma das subcategorias anteriormente listadas. Na categoria B, encontram-se as tipo a do parágrafo anterior, as músicas que eu não tenho nenhum problema em ouvir, mas não são músicas que eu adore. E na categoria A, são as músicas que eu gosto mesmo.

Vou escrever quais tipos de música eu curto, ou melhor, vou escrever o principal, pois há muita música que eu curto e que se encaixa na categoria A, muita mesmo.

A maioria das músicas que eu curto (mas não todas, obviamente) são cantadas por vozes femininas, muitas delas são músicas do gênero pop, há também músicas mais eletrônicas, rocks moderados, algumas músicas dos anos 80 e 90 (apesar de eu não ser dos anos 80, mas não são todas as dos anos 80 e 90 que eu curto), sambas, pagodes, música baiana, alguns tipos de música sertaneja, músicas de alguns países diferentes, como Alemanha, Rússia, Japão, Itália e outros (uma das últimas descobertas que fiz na Internet foi uma cantora da Eslováquia chamada Petra Kepenova, mas ainda não tive muito tempo de pesquisar mais sobre músicas dela e só ouvi algumas poucas), músicas instrumentais, música clássica, e por aí vai (não acredito que consegui sintetizar tudo o que eu gosto de música em um parágrafo tão curto).

Atualmente, tenho escutado Shakira (estou escrevendo este post ouvindo Shakira), T.a.t.u (apesar da dupla ter se desfeito), Nena (cantora alemã dos anos 80 que canta até hoje, e curto tanto músicas antigas dela quanto novas), Kim Wilde (idem à Nena, apesar da Kim ser inglesa), Ace Of Base (desde o primeiro CD, de 1993, até o último, lançado em 2010, com uma nova formação da banda), The Corrs, Adele, Heart (uma banda de rock formada por garotas), etc. Mas as músicas que eu mais escuto variam de tempos em tempos, e já escutei bastante (ainda escuto, mas com uma frequência um pouco menor, mas pode ser que eu volte a escutar mais vezes, dependendo das minhas vontades musicais) Celine Dion, Avril Lavigne, Kyle Minogue, Kid Abelha, Gwen Stefani, Madonna, Michael Jackson, Sandy e Junior (principalmente na época do auge da dupla, bons tempos eram aqueles), uns pagodes, etc.

Por último, eu irei explicar o porque de todas as músicas existentes serem boas músicas, inclusive as listadas dentre as categorias de músicas que eu não gosto nos parágrafos numerados acima e inclusive as que você, leitor, não gosta. Pode parecer ilógico, mas é a mais pura verdade, acredite se quiser.

Na verdade, a explicação é bastante simples: para cada música, há alguém que goste, toda música tem seu público, toda música há alguém que a classifique na categoria A (supondo que todo mundo fizesse esse mesmo sistema de classificação de músicas que eu). Ou seja, toda música é boa para alguém. Você, ou eu, ou outra pessoa pode não gostar de tal música, mas há alguém que goste da mesma, há alguém que ache a música boa.

Mas, seu Allan, não tem como funk ser uma música boa, esse tipo de música é muito ruim! Ou melhor, funk nem é música, é barulho! Você mesmo escreveu que não gosta dessa porcaria! Como funk pode ser uma música boa?

Quando a gente não gosta de uma determinada música, o problema não está na música, está na gente que não gostou da música. E se a música fosse mesmo ruim, por que há gente que gosta da mesma? Outra coisa: da mesma forma que há quem goste das músicas que você não gosta, há também quem não goste das músicas que você gosta. Se for pensar da forma como está no parágrafo acima, tanto eu quanto você escutamos música ruim, já que há alguém que pensa a mesma coisa acerca das músicas que gostamos.

Espero que tenham gostado do post (se não gostaram, o problema não está no post, está em vocês que não gostaram do mesmo, visto há quem goste), e caso discordem de algo, ou mesmo caso não discordem, ou caso desejem perguntar se eu curto um tipo de música em específico (ou outro tipo de pergunta), escrevam suas considerações na seção de comentários.

Allan Taborda lendo A Moreninha, capítulo 12 (e mais dois vídeos)

Posted in Idiotices on 25/12/2012 by Allan Taborda

Hoje é Natal, dia 25 de Dezembro! Feliz Natal a todos os que estiverem lendo isso (e os que não estiverem lendo também), ainda que leiam isso após o Natal!

O post de hoje é para divulgar três vídeos que eu gravei com a webcam do meu notebook, entre eles, um onde eu leio um capítulo do livro A Moreninha, de Joaquim Manuel de Macedo e faço comentários sobre o texto enquanto leio. Esse vídeo possui duração de quase 42 minutos e, apesar de longo e da minha dicção não ser boa, é muito engraçado (ou pelo menos, eu achei engraçado, não sei quanto a você que está lendo isso). Os outros dois vídeos são só testes idiotas feitos na webcam.

Seguem os vídeos abaixo:

Eu lendo A Moreninha, capítulo 12:

Cabelo esquisito:

Félix, o gato branco com olhos verdes:

E um próspero ano novo de 2013 a todos, e que o mesmo seja melhor que esse ano!

São Paulo versus Praia Grande

Posted in Temas polêmicos on 05/12/2012 by Allan Taborda

Ultimamente, não tenho tido muito tempo para escrever nos meus blogs, mas acredito que eu volte a ter tempo a partir de agora. No post de hoje, descreverei os motivos de eu achar que São Paulo é uma cidade melhor para se morar do que Praia Grande (pelo menos para mim). Caso discordem dos meus pontos de vista e/ou desejem contra-argumentar em favor de Praia Grande, vocês podem efetuar comentários ao final deste post.

Cada vez mais pessoas estão vindo morar em Praia Grande e a população da cidade vem subindo a cada ano. Por outro lado, a cidade de São Paulo tem uma tendência de queda em sua população, pelo menos nos últimos tempos. Atraídos pela ideia de morar em um lugar não tão agitado quanto a capital paulista, com praia e mais algumas supostas vantagens, somando ao fato de que imóveis em Praia Grande saem mais baratos do que os de muitas regiões da capital, muitas pessoas, incluindo muitos idosos, optam por sair de São Paulo rumo a esta cidade na qual morei por quase 20 anos.

Cada um tem seus motivos particulares para mudar de cidade e preferir uma ao invés da outra. Eu, que já estou em São Paulo já há algum tempo, acabei vindo parar aqui por um motivo em específico, que é o de que eu passei a trabalhar aqui. Entretanto, acabei descobrindo outros que me fizeram ficar de vez por aqui, indo para Praia Grande apenas para visitar os familiares que ficaram por lá. E, no geral, acabei por concluir que São Paulo é uma cidade melhor para se morar do que Praia Grande.

Como eu disse, eu vim para a capital paulista porque passei a trabalhar aqui. Em Praia Grande, há muito poucas vagas de emprego para profissionais qualificados de um modo geral, não apenas na área da informática, mas em muitas áreas especializadas. Em informática, tirando as vagas de técnicos de hardware que ganham um salário de fome, praticamente não há vagas de emprego, e em desenvolvimento de software, que é a minha área de atuação, menos ainda.

Se um programador opta por trabalhar em Praia Grande, ou ele vai ter que fazer bicos e trabalhar como freelancer, desenvolvendo pequenos sistemas para empresas menores, como por exemplo sistemas de cadastro de clientes para lojas que vendem alguma coisa, ou ele terá que tentar a sorte em algum concurso público da prefeitura ou de algum órgão que, por sorte, esteja oferecendo vagas a essa categoria de profissional.

Em São Paulo, há muitas vagas de emprego para as mais diversas áreas, principalmente as que requerem profissionais qualificados. Em desenvolvimento de software, chovem vagas de emprego, principalmente para as linguagens de programação mais populares. No site Apinfo.com, a grande maioria de vagas são para trabalhar na cidade de São Paulo, com muitas vagas para programador Java, DotNet, PHP e outras plataformas.

Eu não disse que não há empregos em Praia Grande, há empregos na construção civil, vagas para trabalhar no comércio, e outras, mas tais tipos de empregos também existem em São Paulo.

Outro motivo é a infraestrutura de ambas as cidades. Enquanto em Praia Grande há apenas um hospital, que funciona em condições horríveis, bem como as unidades de saúde do município, que não são muitas, em São Paulo há vários hospitais e unidades de saúde. A qualidade dos serviços de saúde também não é 100%, deixando a desejar muitas vezes (isso varia de unidade de saúde para unidade de saúde), mas não é pior do que em Praia Grande, onde as consultas médicas tem que ser remarcadas uma série de vezes devido à falta de médicos (só para citar um exemplo de problema), além de outros problemas já conhecidos da população.

E não é só na infraestrutura da saúde pública que São Paulo é melhor do que Praia Grande, em todas as áreas a infraestrutura de São Paulo é melhor. Há muitos tipos de lugar que existem em São Paulo e que em Praia Grande simplesmente não tem nada, como lojas especializadas e determinadas opções de lazer, por exemplo.

Onde tem loja que vende discos de vinil em Praia Grande? Em São Paulo tem! Lojas de CD em Praia Grande eu só conheço a do hipermercado Extra e as das Lojas Americanas. Em São Paulo, andando pelo centro da cidade a fim de fazer não sei o quê, topei com uma e comprei uns CDs difíceis de achar hoje em dia. E biblioteca? Em São Paulo, tem algumas, com destaque para a que fica localizada próximo ao Metrô Carandiru, e ao lado há um belo parque, o Parque da Juventude. A de Praia Grande, quando eu fui precisar consultar livros para fazer o TCC da faculdade, o máximo que a bibliotecária tinha para me oferecer era um livro velho de Delphi versão 2.0 e só. Zoológico, autódromo e estádio de futebol, esquece, provavelmente nunca vai ter naquela cidade. Comércio popular? Em São Paulo há a 25 de Março, além de outros polos especializados, como a Santa Efigênia, especializada em eletrônicos. Em Praia Grande, só há um pedaço da Avenida Vicente de Carvalho, formado por alguns quarteirões, com lojas mixurucas, além da feira livre que ocorre de fim de semana do outro lado da pista.

Pontos turísticos em São Paulo tem um monte, como o centro histórico, o Theatro Municipal (é assim mesmo que se escreve), que também fica no centro histórico, o Zoológico, o Parque da Juventude e a Biblioteca Municipal, já anteriormente citados, o parque que fica na região da Luz que não sei ao certo o nome (acho que deve ser Parque da Luz ou algo assim), o MASP e muitos outros lugares. Em Praia Grande tem a praia (eu particularmente não vejo graça nisso, mas há quem goste), um teatro (na verdade, o Palácio das Artes) que fica onde o Mourão perdeu as botas, um shopping que fica tão longe quanto (fica perto do Palácio das Artes, e fora esse shopping tem mais um outro menor), tem a Praça das Bolas (ih, esqueci, a prefeitura acabou com a praça), o aeroclube (ah, esqueci que o aeroclube foi fechado e atualmente está em ruínas…), a Praça das Cabeças (se bem que ninguém gosta daquela praça, só o prefeito gosta daquilo) e… Só! Ah, tem também o Forte Itaipu, mas eu não sei se está aberto à visitação pública, tipo, se chegando lá dá para entrar ou não.

O trânsito de São Paulo é bastante caótico, principalmente na chamada hora do rush, onde muitas pessoas precisam ir ou voltar do trabalho em um mesmo horário e por uma mesma via. Praia Grande, no momento, tem um trânsito melhor, mas com cada vez mais gente indo morar nesta cidade, a tendência é piorar, ainda mais com as intervenções desastrosas feitas pela prefeitura na Avenida Presidente Kennedy, que deixou tal avenida uma tremenda duma porcaria, com voltinhas estranhas (foi por causa de uma dessas voltinhas que acabaram com a Praça das Bolas, pois o espaço da voltinha ocupou o da praça), ciclovia no meio da pista (deveria ser nas laterais, no meio pouca gente usa, muitos continuam andando pelas laterais da via) pista estreita em alguns pontos de tal modo que, se um carro andar devagar, atrapalha todo o fluxo de veículos e/ou não é possível se manter em uma faixa, tendo que invadir a faixa lateral, semáforos em cruzamentos com ruas pouquíssimo movimentadas e tempo de sinal vermelho exagerado, pouquíssimo espaço entre a ciclovia e a pista para os pedestres passarem, tendo que muitas vezes dividirem o mesmo espaço das bicicletas, impossibilidade de entrar, sair da avenida ou fazer o retorno sem ser por alguns pontos da mesma, tendo que gastar mais combustível, e outros problemas bizarros na principal avenida da cidade. Em Santos e São Vicente, cidades da mesma região, já há problemas no trânsito, cheguei a ficar preso num congestionamento com minha mãe em São Vicente quando fiz a certificação SCJP (e a história toda foi postada neste blog). Em Praia Grande, em breve, não será diferente, mesmo sem ter muito lugar para ir, como explique nos parágrafos anteriores.

O transporte público praiagrandense possui uma passagem cara demais para o trajeto percorrido, apenas dez centavos a menos que o transporte público de São Paulo (formado não só por ônibus, mas também por metrô e trem), isso se não optar por modalidades mais baratas de tarifas, como a do Cartão Fidelidade, tarifa do madrugador, desconto da linha 9 da CPTM no horário das 9 às 10 da manhã, etc. Aí a tarifa fica mais barata do que a do ônibus de Praia Grande.

Além do preço, os ônibus de vez em quando vem lotados, além de demorarem a chegar. Isso, infelizmente, também ocorre na capital, principalmente na hora do rush. Mas pelo menos tem um monte de mulher bonita no transporte público, em maior quantidade do que na terra do Mourão. Eu, particularmente, não vejo problema em pegar metrô lotado, ainda que a linha vermelha possua uma situação bastante tensa devido ao saturamento da mesma (mas há planos e obras em andamento para tentar mudar isso).

Por fim, ainda que São Paulo não tenha dado sorte com os últimos prefeitos (vamos ver agora com o Fernando Haddad se a cidade deu mais sorte, espero que sim), é possível eleger prefeito e vereadores de qualquer partido, ainda que da oposição, já em Praia Grande, onde o povo é masoquista e as eleições costumam ter suspeitas de fraude de vez em quando (principalmente a de 2008, quando o Boneco Assassino venceu o pleito dessa forma), teremos que aguentar mais quatro anos de Mourão, com apenas dois vereadores da oposição gritando THIS IS SPARTAAAAAAA na câmara de vereadores perante a absoluta maioria de aliados do Mourão. Ah, e um candidato a vereador que reconhecidamente e assumidamente comprou votos na eleição de 2008 se elegeu nesse pleito, e não duvido que tenha comprado votos de novo, principalmente se tratando de uma cidade onde a cultura do povo é de parar de estudar cedo para começar logo a trabalhar. Até um conhecido meu que era da área da informática fez isso e não concluiu o Ensino Médio.

Talvez exista algum outro motivo menos importante que agora eu não me lembre, mas o mais importante é isso. Caso discordem e/ou tenham algo a acrescentar, deixem um comentário.

Por que planos de saúde não valem a pena

Posted in Temas polêmicos on 10/10/2012 by Allan Taborda

Minha mãe vive me dizendo que eu deveria optar por contratar um plano de saúde, especialmente se a empresa onde trabalho oferece desconto em um plano conveniado, com desconto direto na folha de pagamento. Como vantagens, minha mãe cita que eu poderia ser melhor atendido do que se eu fosse atendido pelo Sistema Único de Saúde (SUS), que eu poderia fazer exames e consultas mais rapidamente (pelo SUS seria mais demorado), que eu poderia incluir familiares como dependentes e que eu poderia precisar no futuro, caso eventualmente necessitasse de algum cuidado médico, dentre outros motivos.

Mas eu nunca optei por contratar um plano de saúde, alegando principalmente que acaba saindo muito caro um plano de saúde, mesmo com um desconto devido ao fato da empresa onde trabalho ter convênio com uma administradora de planos de saúde. Na verdade, o preço que eu iria pagar seria apenas um dos motivos. O principal motivo é que planos de saúde não compensam, e eu irei explicar por quê.

Para começar, uma grande parte dos planos de saúde acabam sendo uma espécie de “SUS pago”: as consultas são marcadas para datas demasiadamente distantes, ocorre demora no atendimento, há falta de médicos (e quando tem médico, muitas vezes o mesmo atende mal) e consultas acabam sendo remarcadas devido à falta dos mesmos, da mesma forma que ocorre com o SUS, só que com o pagamento por parte do paciente pelos serviços prestados. Pode ser que o SUS acabe tendo um serviço pior do que determinado plano de saúde, principalmente nas cidades onde o SUS é pior (a qualidade dos serviços do SUS varia de cidade para cidade), mas ainda assim acaba não sendo vantagem, já o atendimento do plano de saúde é ruim do mesmo jeito.

Recentemente, vemos nos jornais, tanto pela Internet quanto pela TV, talvez até nos jornais impressos, notícias sobre médicos que fazem greve e deixam de atender pelos planos de saúde, sobre o mau atendimento dos mesmos, sobre a proibição de determinados planos de saúde de receberem novos conveniados devido ao serviço deplorável oferecido, e por aí vai. Essas notícias demonstram como está a situação atual dos planos de saúde, que cada vez mais querem lucrar o máximo possível sem investir em melhorias para comportar tantos conveniados.

Outro grande motivo é que o dinheiro gasto com um plano de saúde acaba sendo maior do que se o paciente pagasse individualmente pelas consultas e pelos atendimentos nos quais precisasse. O ideal neste caso seria guardar o dinheiro que seria usado no pagamento das mensalidades de um plano de saúde na poupança e usar parte desse dinheiro quando precisasse de um serviço de saúde, pagando individualmente pelo mesmo, o que sairia bem mais barato. Pagando individualmente pelo serviço possibilitaria a livre escolha do hospital, laboratório ou profissional de saúde que lhe melhor atendesse, sem depender do conjunto limitado de opções providas por cada plano de saúde.

Além disso, a não ser que você seja uma pessoa com saúde debilitada, que precisa de serviços médicos constantemente, não vale a pena pagar uma quantia considerável de dinheiro todo mês para precisar de um serviço médico uma vez na vida e outra na morte, ou quando um time da capital paulista ganha Libertadores.

Se não bastassem esses motivos, muitas vezes um determinado problema de saúde não pode ser tratado usando os serviços do plano de saúde contratado, seja por precisar esperar passar a carência do mesmo, seja pelo problema ser uma doença preexistente, seja pelo problema não ser coberto pelo plano de saúde, seja pela falta de profissionais conveniados próximos ao incauto que assinou o plano de saúde ou por outro motivo absurdo qualquer. Mas a mensalidade sempre é cobrada, independente do usuário usar algum serviço do plano de saúde ou do usuário precisar do serviço e o plano não o atender.

E é por isso que eu não pago plano de saúde e nem aconselho outros a pagarem. Não vale a pena. O post termina aqui. Caso tenham algo a comentar ou discordem de algum ponto (ou de todos eles) de algo que eu escrevi neste post, comentem na parte destinada aos comentários do mesmo.